Ilustração - Blog Franchise Store

Vale a pena investir o dinheiro da rescisão para abrir uma franquia?

Infelizmente, a crise econômica tem feito muitos brasileiros perderem o emprego nos últimos meses. E até mesmo quem continua empregado está inseguro em relação a seu futuro profissional, com medo de ser atingido pelos próximos cortes que algumas empresas serão forçadas a realizar.

É nesse cenário que as franquias aparecem como uma saída para a crise. Em outros momentos em que o Brasil atravessou turbulências econômicas, as franquias já demonstraram ser uma alternativa segura para quem quer investir os recursos do FGTS para criar uma nova fonte de renda para a família. E agora elas cumprem novamente esse papel, sendo apontadas por diversos especialistas como o melhor investimento para aplicar o dinheiro da rescisão.

E por que isso acontece? Confira os motivos que levam as franquias a serem consideradas um investimento seguro mesmo em tempos de crise.

1.Mercado em alta, apesar da crise
Na última década, o Franchising brasileiro tem registrado índices de crescimento muito superiores ao PIB nacional. No primeiro semestre de 2015, mesmo diante do enfraquecimento da economia, o mercado de franquias teve alta de 11,2% em relação ao mesmo período do ano passado, como mostram os dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF). As redes continuaram em processo de expansão e as vendas das franquias tiveram uma performance  superior a dos negócios independentes.

2. Melhores negociações com fornecedores
Grande parte da força das franquias é explicada pela sua atuação em rede. Ao negociar com fornecedores, a empresa franqueadora tem maior poder de barganha e por isso consegue preços menores e maior prazo para pagamento. Isso permite que seus franqueados comprem os produtos a preços mais competitivos e ofereçam crédito aos consumidores, o que ajuda a impulsionar as vendas em um momento em que o cliente está mais cauteloso.

3.Investimento compartilhado em Marketing
Na crise, enquanto a maioria das empresas é forçada a reduzir os investimentos em Marketing e Propaganda, as franquias também saem em vantagem por contar com um Fundo de Publicidade bancado por todos os franqueados da rede. Ao somar uma pequena verba de cada franqueado, a empresa consegue ter recursos suficientes para continuar divulgando sua marca e seus produtos, aproveitando o espaço deixado pela concorrência.

4. Adesão a um modelo de negócio já testado e aprovado
Quem usar o dinheiro do FGTS para abrir uma franquia agora fará parte de uma empresa que já é conhecida pelo público e poderá usufruir dos benefícios de atuar em rede. Irá trabalhar com um modelo de negócio já testado e aprovado e contará com o apoio e os treinamentos oferecidos pelo franqueador para atingir os resultados esperados. É por isso que apenas 3,7% das franquias fecham as portas, enquanto nos negócios independentes o número sobe para 24%, segundo dados do Sebrae.

5. Mais de 3.000 franquias para você escolher
É claro que deixar a vida de empregado e se tornar um franqueado implica em riscos. Ainda mais quando o que está em jogo é o sustento de uma família. Por isso, quem foi demitido não deve jamais investir todos os recursos do FGTS na abertura do negócio. É preciso sempre reservar uma parte do dinheiro para pagar as contas – da família e da empresa – até que o negócio passe a dar lucro. Também é muito importante ser criterioso na hora de escolher a franquia ideal para investir e conhecer a fundo a rede com a qual pretende trabalhar. Conversar com os atuais franqueados é melhor maneira de entender como realmente é a vida de quem toca o tipo de negócio que você pretende tocar.

Para quem tomar todos os cuidados, a boa notícia é que o mercado de franquias oferece hoje mais de 3.000 opções de negócios, de todos os segmentos e com diferentes níveis de investimento. Certamente, na região em que você está existe alguma demanda que não foi atendida pelo mercado  – e esse espaço pode ser ocupado por uma nova franquia: a sua.

Filomena Garcia, Sócia-diretora da Franchise Store, é especialista em marketing e atua há 20 anos nas áreas de negócios, varejo e Franchising. Co-autora dos livros “Franchising – Uma estratégia para expansão de negócios e “Marketing para Franquias”.