Ilustração - Blog Franchise Store

Número de franquias amplia no RN

Enquanto algumas regiões e segmentos apresentam queda no volume de empreendimentos fechados entre 2016 e 2017 no Rio Grande do Norte, o setor de franquias cresceu.

 

De acordo com a ABF foram abertos 50 novos negócios em 2017, representando um crescimento de 6% em relação a 2016. O faturamento anual dessas empresas evolui no mesmo percentual, encerrando o ano com R$ 1,707 bilhão de ganho obtido.

É no setor de alimentação que há uma maior concentração desses negócios. As vantagens estão nas margens maiores que a média do mercado. O tempo de maturação é pequeno e a novidade em alimentação pega mais rápido, sendo um setor mais atrativo. Há também um apelo emocional maior, principalmente no setor de doces. E a questão da compra por impulso. O Nordeste, segundo a ABF, é uma das regiões promissoras para a expansão das franquias. No ano passado, a alta registrada foi de 10% no número de redes que atuam na região. Atualmente, 645 marcas operam no mercado nordestino. O número de unidades acompanha esse ritmo, com uma expansão de 7%, totalizando 13.196 pontos de venda. O Nordeste tem uma grande importância no sistema de franquias brasileiro. Os números são favoráveis e isso demonstra que os empreendedores estão buscando espaços fora do eixo Rio-São Paulo.

O faturamento da região no mercado de franquias atingiu o patamar de R$22,5 bilhões, o que representa um crescimento de 4,3% em relação ao mesmo período do de 2016. A maioria das redes nordestinas atua nos mercados de Saúde, Beleza e Bem-Estar (28,9%), Alimentação (25,7%) e Moda (12,5%), dados que demonstram que a Região está em linha com o mercado nacional.

De acordo como diretor da ABF nordeste, Leonardo Lamartine, a região possui excelentes oportunidades para os diversos segmentos de franquias e a crescente interiorização das marcas no País que a favorece. ”Não apenas nas capitais, mas também nas cidades menores do interior nordestino, há consumidores para as mais diversas marcas, formando um novo mercado potencial. É preciso aproveitar as oportunidades”, afirma.