Anúncio

PUBLICIDADE

Encontre as melhores franquias para o seu perfil

Conheça 5 negócios digitais que estarão em alta em 2021

6 de maio de 2021

Compartilhe
mulher trabalhando em notebook com negócios digitais

O avanço da tecnologia é propício para o surgimento de novos empreendimentos que têm a responsabilidade de atender novas demandas de mercado como os negócios digitais que surgem num momento em que dependemos cada vez mais da internet – e optamos por realizar serviços através dessa ferramenta.

A eficiência promovida por negócios digitais é observada nos mais variados aspectos do cotidiano, seja na praticidade em pagar contas pelo celular ou poder fazer compras sem nem sair de casa.

Mas os serviços que têm a internet como base já avançaram muito e, hoje, estão cada vez mais otimizados para atender o consumidor nas mais diversas frentes como você verá a seguir.

O que são negócios digitais

Negócios digitais fazem uso da tecnologia e da internet para desenvolver e oferecer produtos e serviços de maneira mais moderna, prática e acessível.

Um dos principais objetivos dos negócios digitais é a desburocratização envolvida nos processos, algo comum em praticamente todos os segmentos do mercado.

Além de investir pesado em comunicação, logística e qualidade do serviço/produto, os negócios digitais prezam pela experiência do consumidor que passa a ser peça fundamental para o desenvolvimento das estratégias da empresa.

Características de negócios digitais

Homem com fone de ouvido laranja digita em notebook com tela de desktop ao lado

Conectividade, capacidade para entender as mudanças do mercado e atualizar-se sempre que necessário estão entre as principais características de negócios digitais. Foto: Unsplash

Conectividade

Se o consumidor está conectado, as empresas precisam estar também.

No entanto, ter contas ativas nas redes sociais não é mais suficiente: é preciso manter um relacionamento com o consumidor, ou seja, conquistar espaço no mundo digital e ser presença constante no imaginário da audiência.

Além disso, quanto mais próximo do consumidor a empresa estiver, mais fácil será de converter intenções em vendas. Por isso, oferecer diversos canais de compra é outra estratégia que faz parte dos negócios digitais.

Mas a conectividade não se restringe apenas ao ambiente digital. Para quem vende produtos físicos pela internet e depende diretamente de serviços de entrega é fundamental pensar na logística envolvida na operação. 

As empresas estão investindo cada vez mais em diversos pontos de distribuição para otimizar a entrega e fazer a compra chegar mais rápido na casa do consumidor – não é mais uma grande surpresa serviços que entregam no mesmo dia, por exemplo. 

Para quem trabalha com varejo essa é uma característica muito importante que não pode ficar de fora do plano de negócio!

Atualização constante

Como a tecnologia muda a todo momento, os negócios digitais devem acompanhar constantemente as mudanças e atualizar seus produtos e serviços de acordo com as novas demandas.

Perder a capacidade de perceber novos comportamentos do mercado e se adaptar a elas pode prejudicar toda a operação. Sendo assim, “transformação” é a palavra de ordem de negócios digitais.

Consumidor em primeiro lugar

O consumidor é o grande termômetro de negócios que funcionam a partir da tecnologia e da internet. Atualmente, é a cultura mobile que dita as regras do mercado e prevê novos comportamentos de compra. 

Dessa forma, não faz sentido investir em publicidade para a televisão se seu consumidor passa a maior parte do tempo no celular.

Temos acesso a cada vez mais serviços por meio de smartphones que passaram a ser um item indispensável em nossas vidas. Ignorar essa realidade simplesmente não faz parte do próprio significado de negócios digitais.

Tendências de negócios digitais para 2021

Pessoas trabalhando em um escritório de negócios digitais

A pandemia contribuiu para o surgimento de novas empresas que oferecem soluções tecnológicas para áreas como saúde, educação e sistema bancário. São as healthtechs, edtechs e fintechs. Foto: Unsplash

Fintechs

As fintechs são startups do ramo financeiro cujo objetivo é a inovação e digitalização da área.

Como a burocracia é o grande problema deste mercado, as fintechs são negócios digitais que surgem para transformar esse cenário.

Por mais que a quantidade de brasileiros desbancarizados tenha caído 73% durante a pandemia*. Uma a cada três pessoas não possui conta em banco. 

Dessa forma, as fintechs são uma alternativa para facilitar o acesso ao sistema bancário, promovendo a inclusão financeira, e uma maneira mais acessível de conscientizar e otimizar a relação das pessoas com suas finanças pessoais e planejamento financeiro a longo prazo. 

Entre os serviços que as fintechs oferecem os bancos digitais são os mais conhecidos. Inclusive, o Nubank é a startup pioneira na área: a fintech registrou 26 milhões de clientes em 2020, conquistando aproximadamente 41 mil novos usuários por dia.

Mas os serviços das fintechs não param por aí. Além dos bancos digitais, elas também oferecem serviços de crédito, empréstimo, investimento, compra de bitcoins e outras moedas digitais, etc.

* Segundo pesquisa realizada pela consultoria Americas Market Intelligence em parceria com a Mastercard.

Healthtechs

Seguindo a mesma lógica das fintechs, as healthtechs são startups com soluções tecnológicas para a área da saúde.

Considerado um dos maiores mercados de saúde do mundo, o Brasil é propício para o surgimento de negócios digitais voltados para a área. Seja para otimizar serviços ou corrigir problemas, as healthtechs têm causado uma verdadeira revolução no setor.

De acordo com o estudo Healthtech Report 2020 realizado pela inteligência de mercado Distrito, desde 2014 foram investidos US$430 milhões nessas startups no Brasil. Entre as maiores categorias estão: 

– Gestão e PEP (136 startups);

– Acesso à informação (94 startups);

– Marketplace (74 startups).

Outros segmentos mapeados pela pesquisa e que fazem parte do universo das healthtechs são: Wearables & IoT (usáveis e internet das coisas, respectivamente, em português), Inteligência Artificial e Big Data, serviços médicos, relacionamento com pacientes, telemedicina, farmacêutica, e diagnóstico.

Clique aqui para acessar o conteúdo completo sobre as healthtechs no Brasil.

Edtechs

A tecnologia também permitiu o surgimento de negócios digitais voltados para a área da educação.

As edtechs unem professores, alunos, escolas, administradores e instituições de ensino através de serviços que visam não apenas uma aprendizagem mais acessível e moderna, mas também uma gestão mais eficiente.

Infoprodutos

Outra categoria de negócios digitais que vem ganhando força no Brasil são os infoprodutos. 

Os produtos digitais são comercializados através da internet e seu objetivo é educar o consumidor sobre um tópico específico, resolver problemas ou facilitar durante a execução de tarefas. 

Sua aplicação é diversa: os infoprodutos podem ser e-books, webinars, templates, podcasts, videoaulas, aplicativos, entre muitas outras possibilidades.

Mercado de franquias

Outro segmento que está apostando em negócios digitais é o mercado de franquias.

Com operações consolidadas em todo o Brasil e no exterior, cresce a demanda por unidades mais flexíveis que permitem ao franqueado atuar e oferecer serviços/produtos de maneira mais simples e, em alguns casos, sem nem sair de casa.

É através das microfranquias que os negócios digitais ganham força no franchising por se tratarem de investimentos mais baratos, acessíveis e sem a necessidade de ter uma grande infraestrutura para funcionar.

Operações micro podem custar até R$90 mil e o franqueado pode atuar de diversas maneiras, sempre com acompanhamento e vantagens oferecidas pela franqueadora.

Para conhecer mais sobre esse modelo de negócio clique aqui.