Anúncio

PUBLICIDADE

Encontre as melhores franquias para o seu perfil

Dark kitchen: confira a nova tendência do mercado de alimentação

13 de maio de 2021

Compartilhe

Que os serviços de entrega de comida revolucionaram o setor de alimentação você já sabia, mas será que já ouviu falar no conceito dark kitchen? Se a possibilidade de pedir comida pelo celular e recebê-la em casa mudou nossa relação com a alimentação, a dark kitchen mudou a forma de se fazer negócios. 

Também conhecida como “cozinha fantasma” ou cloud kitchen, a dark kitchen é uma empresa de alimentação focada no delivery. Ao contrário dos restaurantes tradicionais, na dark kitchen o consumidor não tem acesso à cozinha.

Inclusive, o intuito por trás da dark kitchen é justamente não receber clientes no local já que tudo é pensado para comportar apenas a cozinha e o sistema de entrega, ou seja, não existe consumo presencial.

Essa modalidade de negócio ganhou força com a pandemia e vem conquistando novos adeptos a cada dia pelas diversas funcionalidades que oferece, como baixo investimento, fácil gestão e a possibilidade de trabalhar com várias marcas ao mesmo tempo.

Delivery ganhou força na pandemia e impulsionou mercado dark kitchen

Chef cozinhando prato flambado em uma dark kitchen

Maioria dos estabelecimentos de alimentação brasileiros passou a atuar através do modelo delivery por conta da pandemia. Facilidade dos serviços de entrega deve continuar mesmo após o fim da crise. Foto: Unsplash

 

81% dos estabelecimentos comerciais brasileiros passaram a oferecer a modalidade delivery durante a pandemia e pretendem continuar atuando através desse modelo mesmo quando as coisas voltarem ao normal*. 

Antes da pandemia, apenas 49% de estabelecimentos como restaurantes, lanchonetes, padarias, mercados e bares realizavam a entrega na casa do cliente. 

Os canais digitais foram o principal recurso para manter o contato com os consumidores e realizar pedidos, sendo que o comércio telefônico foi o mais adotado (71%), seguido pelo WhatsApp (63%), e-commerce próprio (51%), vendas online (42%) e apps de entrega (39%). 

A necessidade de oferecer serviços rápidos ao consumidor foi um grande motivador para o aumento da dark kitchen. Mas outra característica desse modelo chama a atenção: a economia proporcionada para quem trabalha com alimentação. 

Empresas da área passaram a oferecer seus espaços a outros chefs de cozinha e estabelecimentos que ficaram sem recursos, permitindo uma espécie de “aluguel” de cozinha para quem não possui um espaço adequado.

Além disso, ter uma dark kitchen não restringe o empreendedor a trabalhar apenas com uma marca. É possível oferecer diversos “pratos” por meio de uma mesma cozinha, basta ter os equipamentos necessários para tal. 

Equipar a dark kitchen com os instrumentos necessários pode garantir maior produtividade durante a operação. Empresas de decoração de cozinhas são ideais para essa tarefa, clique aqui e saiba mais. 

* Segundo pesquisa encomendada pela VR Benefícios ao Instituto Locomotiva

Vantagens de investir no modelo dark kitchen

Investimento mais baixo

Já que estamos falando de um modelo de negócio enxuto, investir em dark kitchen é muito mais barato do que optar por estabelecimentos tradicionais de alimentação.

Se antes era necessário ter um grande espaço para receber clientes, hoje essa característica já não faz mais parte da nossa realidade. Sem poder consumir presencialmente em bares, restaurantes e lanchonetes por causa da pandemia, todo o conceito por trás da loja física cai por terra.

Isso significa que estabelecimentos presenciais de alimentação vão deixar de existir? Não! 

A demanda por negócios como a dark kitchen já era notada antes da pandemia com cada vez mais pessoas escolhendo pedir comida por delivery ou retirando através do sistema drive-thru, a diferença agora é que não estamos falando mais de uma simples escolha, e sim de uma questão de sobrevivência. 

No momento, a dark kitchen é uma alternativa para empreendedores que querem manter o estabelecimento de portas abertas, e também para aqueles que querem começar o próprio negócio no ramo de alimentação durante a crise de um jeito mais acessível e barato.

Rotina mais simples

Chef cortando hortaliças em tábua verde em uma dark kitchen

Sem o consumo no local, a rotina da dark kitchen pode focar 100% nos serviços de entrega. Foto: Unsplash

 

Já que investir em dark kitchen requer apenas espaço para a cozinha, a rotina administrativa do empreendedor fica bem mais fácil já que poucas pessoas são necessárias para manter a operação funcionando.

Você vai precisar de um chef, ajudantes na cozinha e entregadores para fazer o delivery. Pronto! 

Como a maioria dos pedidos são feitos via aplicativo não é necessário nem espaço para fazer a administração do negócio – você pode muito bem fazer isso da sua casa, por exemplo. 

A tecnologia é uma grande parceira da dark kitchen: consumidor, cozinha e entrega conseguem se comunicar em uma única plataforma para tornar tudo mais eficiente. 

O resultado é a entrega de um ótimo serviço e economia garantida no final do mês!

Fácil gestão

Já deu pra perceber que administrar uma dark kitchen é muito mais simples do que restaurantes tradicionais, não é mesmo? 

Manter um espaço reduzido significa ter menos funcionários que significa menos burocracia. 

Vale lembrar que a franquia dark kitchen oferece ainda mais vantagens que negócios tradicionais do mesmo modelo já que a franqueadora está presente durante todas as etapas da operação. 

Inclusive, não é necessário ser chef de cozinha ou ter experiência na área para começar uma franquia dark kitchen. Basta ter vontade de empreender e de fazer a diferença no segmento escolhido.

Outro diferencial da franquia dark kitchen é que o empreendedor compra a unidade sabendo exatamente quanto vai gastar a curto e longo prazo pois a franqueadora fornece informações referentes à taxa de franquia, capital de giro e capital de instalação antes mesmo da assinatura do contrato. 

Dessa forma, é possível saber quanto de dinheiro será necessário para instalar os equipamentos necessários (como a cozinha industrial, por exemplo), quanto a franqueadora cobra para ceder os direitos de marca ao franqueado, e quanto de capital será preciso para manter a unidade funcionando até atingir o ponto de equilíbrio. 

O modelo de negócio vem pronto para ser instalado e o franqueado ainda conta com treinamento e suporte constante prestado pela franqueadora, isto é, as chances de ter um negócio lucrativo são bem maiores em relação a empreendimentos tradicionais. 

E já que estamos falando de dark kitchen, um modelo relativamente novo no mercado, nada melhor do que contar com o apoio de uma marca mais experiente e com recursos suficientes para realizar pesquisas de mercado sobre os comportamentos de compra do consumidor. 

Gostou do conceito dark kitchen e está pensando em investir neste segmento? 

Clique aqui e conheça a Kitchens!