Franquia Ana Hickmann – Beleza, suavidade e exclusividade

Modelo, apresentadora de televisão e empresária leva sua loja de luxo acessível na Vila Romana, em São Paulo, para outras regiões do Brasil

Ana Hickmann ainda era uma adolescente de 15 anos quando seu rosto começou a estampar capas de revistas de todo o País. Foi nessa época que a moça desfilou em passarelas pela primeira vez e já iniciou o contato com o mercado internacional.

Cerca de seis anos depois, em 2002, Ana iniciava sua jornada empreendedora. Em parceria com a Vizzano, fez sua primeira linha de sapatos e vendeu 150 mil pares. “Meu padrinho foi o Giovanni Frasson. Quando estávamos fotografando uma campanha, ele disse: Você já está pronta para ter a sua coleção. Depois, tive convite para assinar peças de diferentes marcas”, afirma.

Atualmente, mais de 3,5 mil itens levam o nome Ana Hickmann. O mais famoso é a linha de óculos, que já é comercializada em 47 países. No ano passado chegou a vender mais de 280 mil peças. O novo voo da empresária, que também apresenta o programa Hoje em Dia, na TV Record, é o setor de franquias.

Franchising

Desde 2014, Ana tem uma loja na Vila Romana, em São Paulo, que leva seu nome e vende sua grife. As peças também são comercializadas em seu site oficial.

“É no mesmo espaço onde está o meu escritório, em um bairro totalmente residencial, sem tradição de comércio de moda. O objetivo era testar como seria uma loja da minha marca, e para conhecer mais de perto as minhas clientes. O resultado foi um crescimento de 30% a mais do esperado, e isso me ajudou a dar esse passo com confiança, junto com um estudo de mercado que apontou que estou no caminho certo”, afirma.

Com a visão de levar a loja para outras regiões, a empresária escolheu o modelo de franchising. “Pesquisei muito esse mercado, e conversei com diversos franqueadores e franqueados para entender a dinâmica”. Ana afirma acreditar no potencial do setor para enfrentar a crise econômica.

Formatação

O escritório Panelli & Associados foi o parceiro de Ana Hickmann no redesenho do negócio e formatação para o modelo de franquia. “Nossa empresa foi contratada pela AH Serviços para ajudar na solução de um desafio que era fazer com que o licenciamento de vestuário tivesse performance similar aos dos demais produtos da marca”, explica o sócio da empresa, Rubens Panelli Junior.

Após estudar o cenário, a consultoria chegou à conclusão de que o melhor modelo para tornar o negócio lucrativo seria por gestão proprietária e não licenciamento. “Outro ponto importante é que, no caso de vestuário, a margem bruta obtida em um formato proprietário é bem superior ao ganho que marca poderia realizar em um projeto de licenciamento”, afirma.

A partir da definição desse modelo, Panelli conta que criou a área e os processos de desenvolvimento de produtos, desde o conceito da coleção até a caracterização em peças piloto, passando por planejamento de sortimento e demanda, desenvolvimento de fornecedores e contratação de equipe. “Também criamos a área e os processos de distribuição através de canais de venda ao mercado multimarca e franquias.”.

Expansão

O plano é abrir 25 franquias até o final de 2017, com foco no Nordeste e interior de São Paulo. As serão inauguradas ainda esse ano, em São Paulo. Engana-se quem pensa que a apresentadora e modelo só emprestará o nome e a imagem para a rede. A Ana estará presente em todos os momentos importantes da marca, seja em inaugurações, como no dia a dia. Portanto, a sua imagem será o alicerce para a expansão do negócio.

A marca tem potencial para prosperar nesse momento de crise e ser uma das que conseguirão sobressair. É uma marca de luxo acessível, muito mais inclusivo que exclusivo, tem como ícone a própria Ana Hickmann, que não sofre rejeição em nenhuma camada social e ainda pode conquistar outros públicos em novos países, como já é feito com os óculos.

O investimento previsto em uma loja de 80 m2 é de R$ 590 mil, considerando capital de giro, estoque para 60 dias, instalações, equipamentos e taxa de franquia. O valor não compreende o ponto comercial, que pode ser tanto shopping center quanto lojas de rua.

Influência

A Ana Hickmann é reconhecida por 90% da população brasileira. O índice é bem superior à média dos artistas analisados, que é de 72%. As pesquisas anteriores, desde 2013, têm pouca oscilação. Para quem for investir, o resultado mostra que a imagem dela pode auxiliar na comunicação desse novo negócio. Ela tem um reconhecimento muito alto e pode se comunicar com o público brasileiro. O consumidor reconhece e tem aceitação. Ela não sofre rejeição.

ana-hickman-revista-franquia-negocios-ed67

Confira mais números sobre a influência de Ana no quadro acima.

Olhar atento

A empresária conta que participa de todo o processo de construção e desenvolvimento da marca. O seu know-how foi adquirido desde os tempos de modelo, quando já era curiosa com o funcionamento da máquina de negócios.

Ana sempre se atentou à forma como estilistas nacionais e internacionais escolhiam peças, como faziam campanhas, como dispunham os produtos nas lojas e afirma carregar esse legado em tudo que faz. “Desde o meu primeiro licenciamento eu sempre testei, aprovei e escolhi todos os produtos que levaram o meu nome. Eu tenho uma equipe de confiança, mas faço questão de checar todos os detalhes, e também de conhecer o trabalho dos fornecedores que estão comigo”, comenta.

Quer saber mais sobre a Franquia Ana Hickmann? CLIQUE AQUI

Franquia é o Negócio da Regina Boschini

Com 40 anos de mercado e mais de 3mil lojas em mais de 65 países no mundo todo, a The Body Shop® é uma marca com forte presença nacional e muita história para contar. Uma de suas diretrizes como marca é ser irreverente e ao mesmo tempo autêntica, sempre falando a verdade e não fazendo falsas promessas.

Com elementos naturais e produtos com ingredientes dos quatro cantos do mundo, as lojas convidam os clientes para uma jornada repleta de descobertas e experimentação de produtos e sensações. O destaque se dá para as inovações e ingredientes dos produtos, reforçados através de campanhas no ponto de venda, que renovam periodicamente a atmosfera da loja e a energia da equipe de vendas. A experiência de compra se completa com o serviço personalizado oferecido em loja, que oferece aos consumidores a rotina e produtos certos para todos os tipos de pele e diferentes gostos.

Entrevistamos a franqueada Regina Boschini da loja Morumbi Shopping. Confira

Por que franquia é o seu negócio?

Depois de ter trabalhado mais de 20 anos como executiva em empresas, em 2011, decidi mudar meu lado profissional e resolvi investir no meu negócio.  Vi que estava na hora de trabalhar para mim, de construir algo para mim. Foi quando comecei a buscar uma franquia.

Quando e por quê foi decidido a escolha por uma franquia e não por uma loja própria?

Criar um novo negócio, uma nova marca, além do investimento em dinheiro, teria o investimento em tempo, o risco do amadurecimento do negócio.  Em uma franquia, dependendo do seu tamanho, os investimentos para a formatação do negócio já aconteceram,

Como foi o processo de escolha da Marca?

Já conhecia e usava os produtos The Body Shop.  Em todas viagens, sempre procurava uma loja para abastecer meu estoque de butters, produtos faciais, etc.  Quando soube que a marca estava entrando no Brasil, não tive dúvidas, em investir na marca.

A implementação do negócio foi tranquila?

Sim. É claro que a ansiedade é grande. São vários pontos que devem ser planejados, desde a negociação de locação e despesas do ponto comercial, contratação e treinamento e equipe, abertura de empresa, etc.  Mas para todo planejamento, sempre tive a franqueadora como apoio.

Quando você percebeu que estava satisfeita e feliz com a sua (primeira) franquia?

Depois de vê-la pronta e vendendo.

Pensa em abrir mais franquias?

Sim, já temos outros pontos em negociação.

Desde 2014 no Brasil, a The Body Shop® está presente em 19 estados brasileiros e Distrito Federal, com mais de 100 pontos de venda. São dois modelos de franquias, loja e quiosque, ambos atrativos e rentáveis, que ajudarão a marca a crescer ainda mais no mercado brasileiro.

Como Vó Alzira abriu 190 lojas de bolos e agora mira os EUA

Alzira Ramos estava passando por uma época difícil alguns anos atrás: sua família estava com dificuldades econômicas e ela precisava ajudar a complementar a renda da casa. Diante disso, um amigo do marido de Alzira, que tinha um botequim, pediu que ela fizesse um bolo para vender no local. Esse foi o começo de um grande negócio.

“Eu sempre cozinhei: filha de português sempre sabe cozinhar um pouco. Gostava de fazer bolos e doces, já que meu pai também gostava muito de comê-los. Então, quando apareceu a ideia de fazer um bolo, eu me interessei”, conta Alzira. “Mas eu havia recentemente perdido minha mãe e não estava com tanto ânimo assim. Tanto insistiu esse amigo do meu marido que eu acabei cozinhando o bolo.”

O primeiro doce levou a outros cinco, dez: as pessoas cada vez mais se interessavam pelos bolos da cozinheira, perguntando ao dono do botequim quem havia feito e onde era possível encomendar mais.

O sucesso foi tanto que a Fábrica de Bolo da Vó Alzira, hoje, é uma rede de franquias com 190 unidades e que já se prepara para operar no exterior.

“Além da necessidade – do fato de que eu precisava mesmo -, também há o amor que eu tenho por cozinhar. Acho que a gente precisa fazer o que gosta. Tanto é que os bolos começaram ajudando na renda de casa e hoje nós temos as franquias”, conta a empreendedora.

Primeiros passos

Com a crescente procura por seus bolos no botequim de seu amigo, Alzira começou a cozinhá-los em sua casa e vender para diversos locais.

Mas a demanda também foi grande demais para continuar do jeito que Alzira estava: eram pedidos com dezenas de bolos e não havia espaço para grandes encomendas na sua cozinha.

Por isso, ela resolveu abrir sua primeira loja em 2010, um ano depois do primeiro bolo, na rua da Relação (Rio de Janeiro). Essa primeira unidade levou a uma segunda, no bairro da Tijuca.

“Depois, as pessoas vinham falar comigo que queriam instalar em outros locais, mas eu não tinha como fornecer a massa para todo mundo”, conta Alzira. A solução encontrada foi abrir uma fábrica e delegar a gerência das lojas, por meio de um sistema de franqueamento, que começou em 2013.

Alexandre Ramos é filho de Alzira e hoje é o gerente geral da rede. “Eu sou formado em contabilidade e, em outras empresas que trabalhei, vi as franquias como uma boa solução. Por isso, optamos por esse modelo de expansão”, conta.

“Sabemos que as lojas com melhores resultados são as que o dono está presente e que possuem um bom ponto. Com a franquia, cada unidade terá um dono. Se fizéssemos apenas lojas próprias, não teríamos como estar no dia a dia de todas as operações.”

Como funciona a franquia?

O melhor perfil de franqueado, para a Fábrica de Bolos da Vó Alzira, é aquela pessoa que pode se dedicar à operação da loja.

“É o cara que foi demitido, está com dinheiro da rescisão na mão e agora tem tempo para estar na loja. Conheço pessoas que saíram do emprego e hoje são multifranqueadas. Fizemos uma pesquisa e 75% dos nossos franqueados possuem interesse em abrir mais uma unidade.”

Esses franqueados produzem os bolos em suas próprias lojas, mas a massa e a maioria dos ingredientes são comprados da  Fábrica da Vó Alzira, junto com um livro de receitas. “Com isso, nós mantemos o padrão e o preço dos bolos. O risco de o franqueado usar uma massa de fora, por exemplo, é baixo”, diz Alexandre.

20% do mix de produtos adquirido pelo franqueado pode ser composto de marcas homolgadas nacionalmente, não produzidas pela franqueadora. A ideia é que o empreendedor compre diretamente do fornecedor e possa usar produtos externos para produzir bolos mais condizentes com a demanda específica de sua loja.

A franqueadora não cobra royalties: o único gasto recorrente do franqueado é a compra de ingredientes. “Ou seja, dependemos do sucesso das lojas para termos sucesso: eles só compram mais da gente se eles venderem.”

Dois dias antes de inaugurar uma nova loja, os franqueadores vão até o local para ver como está a unidade. No dia seguinte, o franqueado aprende como fazer os bolos na sua própria cozinha, junto com seus funcionários. A franqueadora também acompanha o dia de inauguração da nova loja.

Segundo Alexandre, a quantidade de visitas ao franqueado varia de acordo com a necessidade. “Temos mais ou menos um supervisor para cada 22 lojas. Ele visita duas vezes no mês em média e preenche um checklist de acompanhamento. Quando uma loja demanda um pouco mais, ele pode ficar mais tempo; quando ela demanda menos, ele pode fazer mais intervalos entre as visitas.”

Expansão

Hoje, a Fábrica de Bolos da Vó Alzira possui 190 unidades em funcionamento, sendo que a maioria se encontra no Rio de Janeiro. O mais recente alvo da franqueadora é São Paulo: uma cidade em que há uma febre de bolos caseiros, com muita concorrência.

“São Paulo é um lugar à parte. Passamos meses observando os tipos de lojas de bolos caseiros lá e quais são seus preços. Hoje, temos duas unidades na capital e duas próximas a ela. Estamos abrindo mais três lojas”, explica o gerente.

Em 2016, o plano é focar na expansão em São Paulo. Já para 2017, a Fábrica de Bolos da Vó Alzira planeja entrar no mercado internacional. “Estamos apenas aguardando a liberação de um ponto comercial para começar em Boca Ratón, nos Estados Unidos. Já temos 25 interessados lá, mas queremos abrir a nossa própria loja antes para entender como o mercado funciona”, diz Alexandre.

Ele destaca o grande potencial consumidor e a facilidade em empreender nos Estados Unidos como diferenciais para a expansão da rede. “O mercado americano é altamente consumista e não costuma cozinhar muito em casa. O doce é muito consumido, e nossa aposta é entrar com um produto mais macio.”

“Os EUA fomentam o empreendedorismo e facilitam a abertura e a expansão dos negócios, fazendo de tudo para você abrir uma empresa lá. É possível abrir uma empresa em poucos dias; a parte trabalhista não é tão pesada; você paga menos impostos; e, se você falir, recebe crédito para abrir uma nova empresa, porque se entende que agora você terá mais chances de ser bem sucedido. Comparando, empreender no Brasil é uma luta.”

Além dos Estados Unidos, a franqueadora já recebeu pedidos para ir para Argentina, Portugal e Uruguai. Mas ainda há muita demanda nacional para preencher: 460 pessoas estão cadastradas no Rio de Janeiro para receberem mais informações sobre abrir uma franquia da Fábrica de Bolos da Vó Alzira.

Até o fim deste ano, a rede pretende abrir mais 30 lojas, chegando a 220 unidades. Outra ideia é abrir uma nova franquia do mesmo grupo, voltada para bolos mais sofisticados – com chocolate belga e damasco, por exemplo. “Ainda não sabemos como vai ficar o nome dessa nova franquia, mas também será controlada pela Fábrica de Bolos da Vó Alzira. Primeiro, daremos prioridade para quem já é nosso franqueado. Já temos alguns interessados”, explica Alexandre.

Veja as informações para adquirir uma unidade franqueada:

Investimento inicial: 120 mil reais
Faturamento médio mensal: 50 a 60 mil reais
Rentabilidade: de 12 a 18% do faturamento
Prazo de retorno: 13 meses

O ingrediente secreto do sucesso

Por Marcelo Cherto*

Tenho tido o privilégio de conviver com alguns dos empreendedores de maior destaque deste país. Refiro-me, entre outros – que são tantos que eu não teria espaço suficiente para listar todos aqui – a gente como:

Leila Velez, ex-moradora de uma comunidade carioca e ex-funcionária de balcão numa loja do McDonald’s que co-fundou e hoje é a CEO do Beleza Natural, a maior rede de salões especializados em cabelos crespos do país, que também vende seus cremes, xampus e demais produtos em quiosques e lojas com sua marca e está estudando a abertura de um primeiro salão fora do Brasil. Tenho muito orgulho em ser um dos Conselheiros dessa organização.

Geraldo Rufino, também oriundo de uma comunidade, que aos 9 anos de idade catava latinhas num lixão e mais tarde fundou a JR Diesel, líder no mercado de desmanches, que nasceu quando os poucos caminhões velhos que Geraldo possuía se acidentaram todos no mesmo mês e, para arrumar dinheiro, ele se viu obrigado a desmanchá-los e vender as peças. Desde então, a empresa já teve momentos de baixa, mas Geraldo sempre ressurgiu mais forte do que antes.

Eloi de Oliveira, ex-menino de rua, ex-officeboy de uma agência de viagens – cuja dona permitia que dormisse no sofá da recepção, já que não tinha onde morar – e ex-fiscal de plataforma na Rodoviária de São Paulo, que fundou e é o atual presidente do Conselho da Flytour/Gapnet, líder absoluta em viagens corporativas no Brasil.

Quem me conhece sabe que sou um eterno aprendiz. Procuro aprender com tudo e com todos, o tempo inteiro. Entendo que ninguém é tão ruim que não tenha o que ensinar, nem tão bom que não tenha muito a aprender. Imagine, então, o que tenho aprendido me relacionando de perto com gente do calibre desses três empresários.

Na tentativa de captar o que os levou ao sucesso, tenho buscado identificar neles alguns traços comuns, já que, à primeira vista, cada um é totalmente diferente dos demais. Algumas das características presentes em todos são as que qualquer um esperaria encontrar num empreendedor: os três são determinados, resilientes, trabalhadores, ousados, se cercam de pessoas competentes, são bons vendedores (de idéias, conceitos, produtos, etc), gostam de gente e se relacionam bem com pessoas dos mais diversos níveis e perfis.

Contudo, há uma característica comum adicional, que parece passar despercebida pela maior parte das pessoas: um imenso cuidado com os integrantes das respectivas equipes. Cuidado que se manifesta, não apenas nos grandes gestos, mas na forma como cada um trata no dia a dia seus colaboradores, do mais humilde ao mais graduado. Acredito que o fato de terem eles próprios começado de baixo, de terem passado necessidade e sido alvo de discriminação e pouco caso, os ajuda a compreender como se sente alguém que está “lá em baixo” na hierarquia corporativa e a tratar cada um da forma como gostaria de ser tratado.

Você pode perguntar: “E que diferença isso faz para o sucesso dos negócios deles?”. A resposta que eles próprios dão a essa pergunta é “Eu cuido bem das pessoas que trabalham na minha empresa. E elas, em troca, cuidam bem dos nossos clientes e da própria empresa”. Simples assim.

E você, leitor, como trata seus colaboradores?

*Marcelo Cherto é presidente do Grupo, membro da Academia Brasileira de Marketing, Conselheiro de várias organizações e autor de diversos livros sobre negócios.

Franquia de factoring cresce 20% no primeiro semestre de 2016

Com uma nova unidade inaugurada a cada 10 dias, a Federal Invest, única franquia de factoring do país, obteve no primeiro semestre deste ano a maior expansão de sua história. O crescimento foi de 20% em relação ao total de unidades da rede em 2015.

No terceiro trimestre, o ritmo da Federal Invest continuou acelerado. Mais nove agências iniciaram atividades e outras oito assinaram contrato, totalizando 35 novas unidades de janeiro a setembro. A meta é chegar a 50 até o fim do ano.

São Paulo concentra a maioria das unidades abertas em 2016, mas novas agências Federal Invest também foram inauguradas no Distrito Federal e nos estados de Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro e o estreante Tocantins, que teve a sua primeira agência instalada em março, na capital Palmas.

Planejamento estratégico, marca consolidada, padrão de qualidade, excelência no atendimento e o reforço da comunicação impressa e eletrônica da Federal Invest a partir contratação do ator Oscar Magrini, concretizada em março, são alguns dos fatores apontados como responsáveis pela expansão da empresa.

O presidente do Grupo Federal Invest, Renato Junqueira, atribui o avanço da franquia também a uma necessidade nacional gerada pela retração de crédito nas instituições financeiras. “Mais da metade dos micro e pequenos empresários ficaram inadimplentes e as portas foram fechadas para eles. Mas inadimplência não significa que são maus pagadores. Esses empresários são vítimas da crise. Querem continuar trabalhando, gerando empregos, movimentando a economia. E nós os ajudamos oferecendo o apoio, a consultoria e o crédito que necessitam”.

Referência no mercado de fomento comercial, com 22 anos de experiência em factoring e 14 em sistema de franquias, a Federal Invest oferece serviços de antecipação de recebíveis, como cheques pré-datados e duplicatas, e gerenciamento de contas a pagar e receber.

Nascida na cidade de Registro, no interior de São Paulo, a rede está presente em 23 estados brasileiros, com mais de 100 agências que atendem principalmente micro, pequenas e médias empresas. Tem mais de 20 mil clientes e seu volume de negócios passa de R$ 1,2 bilhão ao ano.

Ponto comercial. Como escolher?

A Franchise Store vai receber você para um café da manhã seguido de um bate-papo super bacana sobre “pontos comerciais”.

Dia 27/10 às 10h

Com:

Américo José
Sócio-diretor da Cherto Atco, formado em Propaganda e Marketing. Atua há mais de 20 anos como consultor de empresas, desenvolve e ministra programas de treinamento. Colaborador das revistas Abcfarma, Novo Meio e Meu Próprio Negócio.

José Ventura
Gestor da Franchise Store, atuando desde a entrada do interessado em comprar uma franquia até o estudo e fechamento do ponto comercial para abertura do seu negocio. Planejamento estratégico de vendas, envolvendo análise de mercado (novas tendências) e pesquisas de produtos e concorrência.

Se você não é de São Paulo ou não pode comparecer pessoalmente, não tem problema! CLIQUE AQUI, curta nossa página no Facebook e confira a transmissão ao vivo no mesmo dia e horário.

Inscreva-se através do formulário abaixo para receber as informações e o material da palestra.

Preencha o formulário abaixo para receber o material do evento.

Quiosques são modelo atrativo de negócio em tempos de crise

Os quiosques se tornam, cada dia mais, uma possibilidade de negócio atraente. O sonho do negócio próprio com um investimento possível é alternativa para quem está querendo se reinventar. Em 2016, seguindo a tendência de mercado, a Tea Shop – marca espanhola de chás gourmet que chegou ao Brasil em 2013 – resolveu inovar e lançar seu novo modelo de investimento, em um formato reduzido, sem abrir mão da sofisticação e requinte já reconhecida da marca. Após a abertura em Salvador e São Paulo a previsão é que outras quatro franquias estejam funcionando até o final de 2016.

O modelo de negócio tem tido um desempenho positivo, uma vez que é uma aposta em uma marca já testada. De acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), o segmento teve performance positiva em 2015 encerrando o ano com 139,593 bilhões em seu faturamento, resultando em um crescimento de 8,3% comparado ao ano anterior.

Com modelo flexível e adaptando-se aos diferentes espaços disponíveis em cada shopping, esta é uma alternativa para investidores que queiram apostar no charme da assinatura Tea Shop, sem gastar muito. A nova possibilidade de negócio é proposta em dois formatos: venda exclusiva de produtos Tea Shop (chás, infusões e acessórios) e Espaço Gourmet, onde doces e salgados poderão ser degustados com seu chá favorito. Em ambos os modelos, os consumidores terão acesso a 75% do mix de produtos da marca. A operação inédita foi pensada especialmente para o mercado brasileiro e transporta a magia das lojas físicas para um ambiente agradável e charmoso. O destaque dos espaços fica para as latas douradas exclusivas da marca, fabricadas na Itália, onde os chás gourmets são oferecidos totalmente frescos.

Abaixo você confere mais motivos para apostar em quiosques como alternativa lucrativa de negócio em 2016:

Valor mais baixo
O valor de implantação de um negócio em formato de quiosque é mais em conta do que as lojas convencionais. Além disso, os custos de instalações e manutenções também costumam ser menores do que os formatos tradicionais. O quiosque Tea Shop tem um valor bastante vantajoso, oferecendo uma marca já reconhecida e aceita pelo mercado. Com um investimento inicial de 80 mil reais, o prazo de retorno estimado do quiosque Tea Shop é de 12 a 24 meses.

Experiência de compra
Muitas pessoas acreditam que o formato quiosque não comporta a mesma experiência de compra uma loja convencional. No entanto, o consumidor sempre busca um bom atendimento em qualquer tipo de negócio. Por isso, é fundamental que a operação vise não só o oferecimento de bons produtos, mas um atendimento personalizado. Todo o quiosque Tea Shop foi pensado para oferecer a mesma experiência de compra multisensorial das lojas, sendo no formato de venda exclusiva de produtos ou com presença do café.

Sofisticação na operação
Os quiosques ficam longe de se tornar um simples balcão de vendas. Com ambientação exclusiva e mantendo o padrão estético de sofisticação das lojas físicas, o formato reduzido de negócio Tea Shop exala requinte. Além de uma visão privilegiada e uma aproximação com o público, a operação não passa despercebida.

Tendência de consumo
O crescimento de quiosques tem sido notável. A participação do franchising possibilita novos negócios de marcas já consagradas com um investimento possível. Diante um cenário de instabilidade econômica, o formato de negócio tornou-se alternativa rentável para quem busca uma forma de se reinventar.

Sobre a Tea Shop
Com modelo de negócio atrativo e em pleno crescimento, a Tea Shop tem muita história para contar. Fundada em 1990 em Barcelona, e com mais de 59 lojas espalhadas por dois continentes, a Tea Shop lança o programa de franquias no país justamente quando o mercado de chás está aquecido por aqui. Com taxas de crescimento de mais de 25% nos últimos três anos, e super saudáveis, os chás são a bola da vez no Brasil para quem quer manter a forma e investir em qualidade de vida. Especialista no assunto, a Tea Shop – que desembarcou em Porto Alegre pelas mãos do empresário Michel Bitencourt, possui um completíssimo portfólio de produtos renovado por coleções, com mais de 100 tipos de chás e acessórios exclusivos. Naturais e com diversas funcionalidades, os produtos da Tea Shop entregam saúde e bem estar para quem os consome, além da experiência de compra diferenciada no ponto de venda. As lojas seguem o padrão internacional da marca, assim como a ambientação e o atendimento. Ou seja, sinal de bons negócios e sucesso certeiro.

Expo Franchising ABF Rio 2016 reúne 200 marcas

Nesta quinta-feira (6/10) começa a Expo Franchising ABF Rio 2016. Até sábado (8/10) no Riocentro, o evento deverá reunir mais de 20 mil pessoas interessadas em abrir o próprio negócio por meio do franchising. O público poderá, ainda, assistir a uma série de palestras de grandes nomes do empreendedorismo, com o intuito de capacitar interessados em ingressar no setor.

Em sua décima edição, o evento é realizado pela Associação Brasileira de Franchising Rio de Janeiro (ABF Rio) em parceria com a Fagga | GL events Exhibitions. A feira, segundo os organizadores, terá a participação de mais de 200 marcas de diversos segmentos. A expectativa é gerar cerca de R$ 200 milhões em negócios durante os três dias de evento, um dos maiores do mundo.

Segundo o diretor do núcleo de negócios da Fagga, Rubens Slaviski, o Brasil é o quarto maior mercado de franchising do mundo, com crescimento mesmo em tempos de crise. “A grande missão da Expo Franchising ABF Rio é unir todos os atores desse importante mercado em um só lugar, favorecendo o desenvolvimento do setor”, ressalta.

“O negócio próprio continua sendo um dos principais desejos do brasileiro, e o setor se mostra como uma alternativa mais segura dentro do cenário econômico atual do Brasil”, complementa o presidente da ABF Rio, Beto Filho. Segundo ele, o Fórum tem o papel de orientar o empreendedor para que possa ter sucesso nas novas escolhas e entender as etapas necessárias para a implantação de uma unidade franqueada e os riscos envolvidos.

Serviço

Expo Franchising ABF Rio 2016
Local: Riocentro – Pavilhão 2
Data e horário: de 6 a 8 de outubro, das 13h às 21h
Endereço: Av. Salvador Allende, 6.555, Barra da Tijuca – Rio de Janeiro (RJ)
Ingressos: Diretamente na bilheteria do local

The Body Shop inaugura nova loja em São Paulo

No dia 6 de outubro, a The Body Shop®, rede inglesa de cosméticos naturais, inaugura mais uma loja em São Paulo, no Shopping Morumbi. Será o 19º ponto de venda na cidade de São Paulo e o 43º no estado. A unidade já existia com a antiga bandeira da Empório Body Store, que foi adquirida pela The Body Shop em fevereiro deste ano.

A loja disponibilizará um mix completo com diversas linhas de produtos – faciais, corporais, para banho e fragrâncias – todos naturais e nunca testados em animais. Além disso, a loja contará com vendedoras treinadas para oferecer consultoria aos clientes sobre o melhor produto de acordo com a rotina e tipo de pele de cada pessoa.

“A capital paulista é uma região de grande importância para a The Body Shop no Brasil. A loja do Shopping Morumbi estava em processo de troca de bandeira da franquia anterior, a Empório Body Store, e com a aquisição completa pela The Body Shop em 2016, conseguimos finalmente estabelecer presença no espaço com a nossa própria bandeira”, explica Nathalie de Gouveia, diretora Comercial e de Expansão da The Body Shop no Brasil.

A marca inglesa chegou ao país em outubro de 2014, em joint venture com a  rede brasileira Empório Body Store e, neste ano, adquiriu 100% da empresa, ampliando a presença da The Body Shop no país. A rede de franquias soma ao todo mais de 112 pontos de venda distribuídos por todo Brasil e mais de 3 mil lojas em 66 países

Inauguração The Body Shop®
Quando: 6 de outubro
Local: Shopping Morumbi
Endereço: Avenida Roque Petroni Júnior, 1089 – Jardim das Acácias, São Paulo – SP, 04707-900

SOBRE A THE BODY SHOP

Fundada em 1976 em Brighton, Inglaterra, a The Body Shop®, marca de cosméticos e produtos para o corpo, rosto e fragrâncias, consolidou-se mundialmente graças a sua filosofia em relação aos cuidados do meio ambiente e responsabilidade social nos negócios. A qualidade dos produtos é um dos pilares da marca inglesa, que roda o mundo em busca de ingredientes naturais exclusivos e pequenos produtores artesanais. A The Body Shop® não realiza testes em animais, está presente em mais de 60 países e conta com mais de 3.000 lojas.

Ecoville participa pela primeira vez da Expo Franchising ABF Rio e se destaca com a venda direta de produtos de limpeza

Com o objetivo de chegar a 5.000 franquias em cinco anos, empresa de Santa Catarina é a primeira franqueadora do segmento no País

Pela primeira vez, a Ecoville, indústria especializada em produtos de limpeza, com sede em Joinville, Santa Catarina, irá participar da Expo Franchising ABF Rio, que será realizada entre os dias 6 e 8 de outubro, no Riocentro, localizado no bairro Jacarepaguá. A marca ingressou no segmento de franchising há apenas três meses e já assinou 95 contratos de franquias – um recorde no franchising brasileiro – que devem começar a operar até o fim do ano. “A Ecoville está em um segmento que movimenta R$ 24 bilhões por ano, vamos à feira para mostrar o potencial do nosso modelo de negócio”, afirma Leonardo Castelo, um dos fundadores da Ecoville.

A Ecoville fabrica e comercializa 250 tipos de artigos de limpeza, como alvejantes, amaciantes, detergentes, desengordurantes, limpadores, limpa-vidros, além de itens para higienização de carros. A marca tem hoje 142 lojas, a maior parte em modelo de licenciamento, e atua com revendedores na venda direta em residências. Na casa do cliente ou no ponto físico, a marca trabalha com o modelo consultivo de vendas. “Ensinamos o cliente a usar o produto de forma correta e, como consequência, a economizar. Essa estratégia nos ajuda a retê-lo”, comenta Leonardo Castelo.

Para dar este passo, a Ecoville desenvolveu o modelo em conjunto com a Cherto, a maior consultoria em franquia da América Latina. A marca oferece dois modelos de negócio. Com a franquia, que custa a partir de R$ 100 mil, o franqueado tem direito uma loja física, um ponto móvel (que inclui uma carreta para a venda de produtos na rua e nas empresas da região), e o canal de televendas, responsável por dar suporte aos outros modelos, facilitando a vida do franqueado na hora de fidelizar os antigos consumidores e prospectar novos clientes.

No outro modelo, que é de microfranquia, o empreendedor adquire um ponto móvel, a partir de R$ 50 mil, que inclui uma carreta para a venda de produtos na rua e amostras para demonstração e venda direta. A previsão de retorno, para ambos os formatos, é de 12 a 24 meses, e o faturamento médio mensal esperado é de R$ 50 mil para as lojas-franquias e R$ 25 mil para as microfranquias, com expectativa de 20% de lucro.

A meta da Ecoville para os próximos cinco anos é alcançar os 5.000 novos franqueados, sendo 2.000 franquias e 3.000 microfranquias. “Buscamos o modelo de franquia para dar mais retaguarda e estrutura aos interessados em abrir uma loja da Ecoville. Já iniciamos um trabalho para converter nossos revendedores e licenciados em franqueados e fazer com que eles progridam com o novo modelo da empresa”, afirma o executivo Neder Kassem, responsável pela expansão da Ecoville no Brasil.

Para o fundador Leonardo Castelo, a rápida adesão de novos empreendedores mostra como o negócio é inovador dentro do mercado de franquias. “Em três meses, batemos um recorde nacional. Isso só deve aumentar, porque todo mundo pode se tornar um parceiro da Ecoville”, diz o empresário.

O evento espera reunir mais de 20 mil pessoas interessadas em abrir o próprio negócio. Realizada pela ABF Rio (Associação Brasileira de Franchising Rio de Janeiro), a feira contará com a participação de mais de 200 marcas de diversos segmentos e a expectativa é que mais de R$ 200 milhões em negócios sejam gerados durante os três dias de evento.

Palestras para empreendedores

Com a proposta de transformar os contatos realizados ao longo da feira em potenciais clientes, a Ecoville está preparando uma ação de marketing focada no fechamento de novos negócios. Durante os dias 7, 8, 10, 12, 13 e 14, a franqueadora irá realizar encontros no hotel Sheraton Barra, na Barra da Tijuca. Neder Kassem, que é especialista em vendas e responsável pela expansão da empresa, irá palestrar aos convidados sobre modelo de vendas e os formatos de negócios oferecidos pela Ecoville. “Queremos trazer as pessoas que nos conheceram durante a feira para um contato ainda mais próximo e assertivo”, afirma Neder Kassem.

Serviços

Feira Expo Franchising ABF
Local: Rio Centro/ Pavilhão 2
Endereço: Rua Salvador Allende, 6.555, Barra da Tijuca
Horário: das 13h às 21h
Palestras
Local: Hotel Sheraton Barra
Endereço: Avenida Lúcio Costa, 3.150, Barra da Tijuca
Datas:  07 e 08 – das 9h às 12h/ 10, 12, 13 e 14 – das 10h às 13h e das 19h às 22h

Sobre a Ecoville

A Ecoville, com sede em Joinville, Santa Catarina, fabrica e comercializa produtos de limpeza para a casa, carros e empresas, como alvejante, detergente, amaciantes e limpa-vidros. Foi fundada em 2007 pelos irmãos Leandro e Leonardo Castelo, engenheiros de formação que, ao lado do pai, José Edmar Castelo, levaram o modelo de venda direta de empresas como Avon, Mary Kay e Natura para o segmento de produtos de limpeza. Além da venda feita por uma rede de revendedores diretamente na casa dos consumidores, os produtos fabricados são comercializados nas 142 lojas da marca, a maior parte em modelo de licenciamento. Em 2016, a Ecoville ingressou no segmento de franchising, com o oferecimento de dois formatos de negócio: franquia e microfranquia A marca gera mil empregos diretos, com as lojas e dois parques fabris, um localizado em Joinville, Santa Catarina, e outro em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Euro Colchões planeja abrir 50 lojas em três anos

A rede está de olho nas cidades de Belo Horizonte (MG), Vitória (ES), Rio de Janeiro (RJ) e São José dos Campos (SP)

Marca carioca de colchões, presente no mercado desde 2005, a Euro Colchões nasceu do desejo de oferecer soluções de bem-estar, conforto e saúde para contribuir cada vez mais na melhora da qualidade do sono. Com 31 lojas no Rio de Janeiro, duas em Curitiba, no Paraná e uma em Guaratinguetá, em São Paulo, a rede tem um plano de expansão de abrir mais 50 unidades até o final de 2019. Para isso, a marca contratou uma das maiores empresas de consultoria em franquias da América Latina, a Cherto, para estruturar e ofertar o sistema de franquias.

Segundo pesquisa da Associação Brasileira de Franchising (ABF), a franchising mantém ritmo e cresce 8,1% no 2° trimestre de 2016, comparado ao mesmo período do ano passado. O faturamento no 2º trimestre subiu de R$ 32,537 bilhões para R$ 35,180 bilhões. Em 2015, o setor faturou 139,593 bilhões de reais e teve um crescimento de 8,3% em relação ao faturamento do ano anterior.

Para uma loja de 60m², o investimento inicial gira a partir de R$210 mil. Com faturamento mensal estimado de R$160mil, o franqueado leva, em média, de 24 meses para receber o retorno do investimento.

Para Mauricio Aballo, presidente da rede, a expectativa é abrir cerca de 50 novas lojas em três anos. “Um dos principais atrativos para se investir na franquia Euro Colchões são: baixo investimento, logística feita pelo franqueador, ausência de estoque, produtos não perecíveis, além de marcas e produtos exclusivos”, avalia.

No primeiro momento, a Euro Colchões está de olho nas cidades de Belo Horizonte (MG), Vitória (ES) e São José dos Campos (SP). “Em 2016, a Euro pretende abrir mais 3 lojas no segundo semestre. De 2017 a 2019, a expectativa é em torno de 15 unidades por ano. Passados esses três anos, faremos um novo plano de expansão”, afirma Aballo.

Para saber mais sobre a Franquia Euro Colchões, CLIQUE AQUI.

Empreendedorismo em Tempos de Crise – Evento gratuito

Empreendedorismo em Tempo de Crise
Parceria Casa do Saber e Guide Investimentos

Com: Felipe Chad, Jair Ribeiro e Marcelo Cherto
Encontro: terça-feira, 18/10, das 20h às 22h

Obs.: Inscrições gratuitas pelo site. Vagas limitadas e sujeitas à lotação do espaço.

Pedimos a doação de um livro que será doado para a OnG Parceiros da Educação.

A Guide Life e a Casa do Saber convidam para o bate-papo com grandes empreendedores que souberam fazer a diferença no seu mercado. Jair Ribeiro e Marcelo Cherto irão compartilhar suas histórias, contar como conseguiram sucesso em cenários desfavoráveis, além de comentar as melhores oportunidades do momento.

“Na crise é que se encontram oportunidades”. “Enquanto uns choram, outros vendem lenços”. É bem provável que você já tenha ouvido essas frases por aí. A crise, as dificuldades e as barreiras de entrada desencorajam ou adiam os planos daqueles que pretendem abrir seu próprio negócio. Mas ainda assim há uma parcela de pessoas que consideram esses desafios como um combustível, e impelidos pelos seus sonhos não esperam uma mudança no cenário, mas criam suas próprias oportunidades.

Encontro: terça-feira, 18/10, das 20h às 22h

Felipe Chad
Sócio-diretor da Guide Life Planejamento Financeiro. Antes, atuou como sócio da DXI Planejamento Financeiro e da XP Investimentos, onde foi sócio e responsável pela filial de Brasília. Estudou Relações Internacionais no Centro Universitário de Brasília com extensão em finanças pela London School of Economics.

Jair Ribeiro
Sócio e co-presidente do Banco Indusval & Partners, vice-presidente da Sertrading S.A., vice-presidente do Conselho de Administração da CPM Braxis, presidente e fundador da ONG Associação Parceiros da Educação e sócio-fundador da Casa do Saber. Foi CEO e co-fundador do Banco Patrimônio (1988-1999), diretor presidente do Banco Chase Manhattan (Brasil) (1999-2000), diretor executivo do JP Morgan (NY) (2000-2003), bem como co-fundador e CEO da CPM Braxis (2006-2010), uma das maiores empresas de serviços de tecnologia do Brasil.

Marcelo Cherto
Presidente do Grupo Cherto (Cherto Consultoria, Franchise Store e Cherto Atco Educação Corporativa), membro vitalício da Academia Brasileira de Marketing, fundador e membro do Conselho de Associados da ABF (Associação Brasileira de Franchising). É conselheiro da Beleza Natural, da Sedi, da B2 e do CDI (Comitê para Democratização da Informática). Mestre em Direito pela New York University (EUA), foi professor de franchising do curso de Graduação da EAESP-FGV. Palestrante em eventos realizados no Brasil, Japão, Estados Unidos, Chile, México e Argentina.

CLIQUE AQUI PARA SE INSCREVER