Número de hamburguerias cresce no Brasil e atrai novos empreendedores

Há dez anos, o estado de São Paulo contava com poucas opções de restaurantes especializados em hambúrgueres. Hoje, são aproximadamente 300 só no estado de São Paulo, segundo levantamento do Instituto Gastronomia. E este mercado só tende a se expandir.

“É um setor em franco crescimento nas grandes metrópoles e que começa a ganhar cidades menores, que estão abertas para receber novas marcas, com produtos de qualidade. Há muito espaço em todo o país para este tipo de restaurante”, comenta Marina Dalul, sócia da Franchise Store.

Alinhado a esta tendência, o h3, rede de franquias que oferece comida de Chef nas praças de alimentação de alguns dos mais importantes shoppings do país, vem apostando neste segmento, que já fatura aproximadamente R$ 2.5 milhões por mês. A marca portuguesa, que chegou ao Brasil em 2011, já possui 17 lojas instaladas nos principais shoppings de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Pernambuco, sendo três delas unidades franqueadas. A rede começou a sua expansão por meio de franchising esse ano e pretende abrir até mais 20 lojas até o final de 2017.

Com o conceito “Not So Fast Food”, onde é possível comer um alimento de qualidade e com um atendimento de excelência, mesmo em um sistema de “Fast Food”, a marca trouxe “o verdadeiro hambúrguer” para este universo e inovou servindo em pratos aquecidos com acompanhamentos de alta cozinha. Servido no prato ou no pão, o hambúrguer é o carro chefe. Com isso, virou fenômeno em Portugal, com quase 50 lojas e mais de 25 milhões de hambúrgueres vendidos em apenas oito anos.

“Fazer mais do mesmo não tem qualquer sentido. O h3 descobriu uma oportunidade de mercado, criou uma oferta diferenciada que não existia nas praças de alimentação e a apresentou com sucesso ao mercado. Apostamos em incríveis inovações que são exclusivas da marca, como por exemplo, o hambúrguer à Carbonara com molho tradicional italiano e ingredientes da melhor qualidade para o consumidor se apaixonar pelo paladar. Além das outras iguarias incríveis que só existem na rede”, comenta Claudia Malaguerra, country manager do Brasil.

Com o intuito de crescer em todo o Brasil, com foco em cidades de mais de 100 mil habitantes, o investidor interessado precisará dispor de um investimento inicial que varia de R$ 650 a 750 mil reais, para um restaurante de aproximadamente 45m², valor este que já engloba a taxa de franquia. A expectativa de faturamento mensal gira em torno de R$ 150 mil reais.

SOBRE O H3

Criado por três portugueses em 2007, o h3 surgiu com a ideia de servir comida excelente em um sistema de fast food, com o objetivo de oferecer o hambúrguer como principal iguaria junto com ingredientes e molhos inusitados que são elaborados por Chefs de renome do mercado especialmente para o h3.

Atualmente a marca possui mais de 50 lojas em Portugal e já vendeu mais de 30 milhões de hambúrgueres em apenas oito anos.

Depois do sucesso na Europa, o h3 chegou ao Brasil em 2011. Em apenas três anos abriu 14 lojas próprias em São Paulo e mais três franquias. Testou e adaptou o conceito ao mercado brasileiro e agora em 2015 ingressou no sistema de franquias para expandir o conceito em território brasileiro.

Casa do Construtor cria nova metodologia de gestão para aumentar produtividade

A Casa do Construtor, maior franquia no segmento de locação de equipamentos de pequeno porte para construção civil, chega à 5ª ABF Expo Nordeste 2015 com novas metas de expansão para o Nordeste. Durante o evento, a rede apresenta os primeiros resultados do Projeto LEAN, metodologia própria de gestão de franquias, para atrair potenciais franqueados.

Inspirada no mercado automotivo, a LEAN é focada na inovação em gestão de franquias para aperfeiçoar o desempenho das lojas. A Casa do Construtor é a primeira marca brasileira a investir nesse método no setor do franchising. “Mostraremos cases de sucesso que já usam o programa para impulsionar a rentabilidade. O LEAN tem por meta atingir produtividade em todos os processos do negócio, com objetivo de conquistar novos clientes e disseminar as vantagens da locação de equipamentos pelo Brasil”, declara Expedito Eloel Arena, sócio-fundador da marca. O LEAN Casa do Construtor contempla mudanças nas áreas de Logística, Manutenção, Organização, Estoque, Comercial (pré-venda, venda e pós-venda), Financeira e RH. Até o final do ano, a rede planeja implantar a metodologia em 100 lojas e concretizar todo o processo de implantação nas 230 franquias da rede até o final de 2016.

Apesar de a economia brasileira passar por períodos de oscilação, a rede vem mantendo seu plano de expansão baseado em um crescimento sustentável. Até o final deste ano, a marca deve registrar um faturamento de cerca de R$ 200 milhões, contra R$ 175 milhões do ano passado. Em 2015, a Casa do Construtor já inaugurou 25 franquias e fechou vários contratos em todas as regiões do Brasil. A meta é alcançar a marca de 250 lojas comercializadas ainda neste ano e, até 2025, chegar a mil unidades em operação.

Nesse plano de expansão, a região Nordeste representa um polo estratégico de investimento, já que o mercado de locação de equipamentos para a construção civil tem muito espaço para crescer. “Nosso plano é ter 100 unidades comercializadas nos próximos 5 anos na região. Hoje, temos 20 lojas em operação por lá e, com a participação na ABF Expo Nordeste 2015, pretendemos fechar 10 novos contratos até o final de 2016”, afirma Altino Cristofoletti Junior, sócio da rede.

A empresa busca novos investidores para as seguintes localidades: Simões Filho (BA), Paulo Afonso (BA), Alagoinhas (BA), Barreiras (BA), Luís Eduardo Magalhães (BA), Caruaru (PE), Vitória de Santo Antão (PE), Garanhuns (PE), Mossoró (RN), Juazeiro do Norte (CE), Tianguá (CE), Maranguape (CE), Picos (PI), Parnaíba (PI), Timon (MA) e Imperatriz (MA).

A Casa do Construtor foi fundada em 1993, na cidade de Rio Claro, interior de SP, pelos engenheiros Altino Cristofoletti Junior e Expedito Eloel Arena. O público da empresa divide-se em quatro pilares: construtoras, empresas, condomínios e pessoas comuns que estejam executando uma obra ou reforma, podendo locar equipamentos de pequeno porte como ferramentas elétricas, rompedores, compactadores, betoneiras e andaimes, além de equipamentos para limpeza e jardinagem.

Em 2012, a rede foi considerada a “Melhor Franquia do Brasil” pela ABF e uma das melhores empresas para se trabalhar pelo Great Place to Work. Um ano antes, a Casa do Construtor havia se tornado Empreendedor do Ano, pela Consultoria Ernest & Young, passando ainda a figurar como Empreendedor Endeavor.

O que podemos aprender com os empreendedores de sucesso?

*Por: Filomena Garcia

Na semana passada, participei da Convenção ABF do Franchising, que reuniu diversos franqueadores na Bahia. Nesse evento, diversos palestrantes e empresários trocaram experiências e ideias.

É muito interessante o quanto uma conversa informal ou mesmo em uma palestra sobre um case de sucesso nos motiva e nos inspira a empreender.

Muitas vezes vale mais do que horas investidas em cursos técnicos, pois não estamos falando aqui sobre as ações ou sobre as estratégias de marketing que uma empresa utilizou para crescer e fazer sucesso. Estamos falando de uma trajetória e dos aprendizados que ela traz.

Ao ouvir a história de uma jornada empreendedora, não são os aspectos técnicos que nos chamam a atenção em primeiro lugar, mas sim a trajetória do fundador do negócio, a forma como ele começou tudo e qual foi a inspiração que ele teve para empreender.

Quase todas as pessoas têm interesse em ouvir esses relatos, e se possível, narrado pelo próprio empreendedor ao vivo e a cores. O que de fato está por trás deste interesse genuíno e que é muito mais do que uma simples curiosidade?

Acredito que uma das principais justificativas para esse interesse é a busca pela inspiração. Quem está pensando em começar um negócio ou já tem uma empresa precisa de coragem para tomar atitudes e poder mudar sua realidade – e ouvir que outra pessoa já passou por desafios semelhantes ao seu dá mais energia para seguir em frente.

Com certeza, isso também ajuda o empreendedor a obter algumas lições baseadas nas experiências de terceiros. Ele pode aprender como evitar alguns erros comuns ao longo do caminho e assim construir mentalmente o futuro da sua própria empresa.

É interessante observar  que a maioria das histórias dos empreendedores de sucesso foi construída a partir de fatos e oportunidades que surgiram na sua vida. Ou seja, eles não nasceram com o sonho de serem “empreendedores” e de ter seu próprio negócio – foram  os fatos cotidianos que os levaram a tomar essa decisão.

Um aspecto muito comum entre os novos empreendedores é que eles enxergam uma nova forma de fazer algo que já existe e que muitas vezes está no seu cotidiano, seja com alguma inovação ou agregando valor  para algo que já exista.

Empreendedores que acrescentam a seus serviços uma forma de agir que esteja de acordo com seus princípios e convicções costumam conseguir resultados diferentes – não por serem gênios, mas por terem uma crença e atuarem de acordo com ela.

Ou seja, podemos aprender inumeras lições objetivas com os empreendedores de sucesso, mas a lição mais importante talvez seja o intangível, a inspiração fundamental para podermos dar o primeiro passo.

Portanto, se você ainda não tem certeza se o seu caminho é empreender, converse com quem já empreendeu e veja se depois dessa conversa os seus olhos terão o mesmo brilho de quem contou essa história a você.

Inspiração é primeira marca de todo empreendedor de sucesso!
Filomena Garcia , Sócia-diretora da Franchise Store, é especialista em marketing e atua há 20 anos nas áreas de negócios, varejo e Franchising. Co-autora dos livros “Franchising – Uma estratégia para expansão de negócios e “Marketing para Franquias”.

Mercado de franquias cresce 8,2% no 3º trimestre, aponta ABF

O franchising brasileiro mantém sua resiliência e capacidade de reação mesmo em meio a um contexto econômico desfavorável. Esta é a constatação extraída da mais recente Pesquisa Trimestral de Desempenho do setor realizada pela ABF – Associação Brasileira de Franchising. De acordo com o estudo, o franchising registrou um aumento nominal do faturamento de 8,2% no 3º trimestre deste ano, comparado ao mesmo período de 2014, com um total de R$ 35,5 bilhões. Já a receita do setor de janeiro a setembro de 2015 cresceu 10,1% em relação a igual período do ano passado, atingindo R$ 99,385 bilhões.

A presidente da ABF, Cristina Franco, atribui este desempenho ao sistema em rede e visão de negócios do setor. “A relação franqueador e franqueado não dá brechas para acomodação. Ambos buscam o fortalecimento do negócio e, vendo a fragilidade do mercado já em 2014, começaram a tomar medidas de saneamento em termos de custos e eficiência da operação. A constante troca de experiências também foi fundamental, uma vez que o empreendedor na ponta tem exemplos de estratégias bem-sucedidas e mantém o ânimo mesmo frente ao cenário adverso”, diz.

A presidente da ABF ressaltou ainda que a desvalorização do real e o fato de o franchising ter um ticket médio que cabe no bolso do brasileiro podem ter impulsionado setores como o de turismo, beleza e alimentação. “Esses são segmentos tradicionais do franchising que souberam se adaptar rápido ao novo momento e capturaram uma oportunidade de um consumidor mais retraído, mas que não abre mão de alguns hábitos adquiridos como o cuidado com o bem estar e a alimentação fora do lar”, afirma Cristina Franco.

O levantamento registra ainda que o número de unidades cresceu 2% de julho a setembro deste ano, totalizando 133.897 operações de franquias em atividade. “Notamos que a redes tem sido mais conservadoras, mas não pararam seu processo de expansão. Vimos também diferenças entre os segmentos. Enquanto que o crescimento de Educação e Treinamento, Veículos e Hotelaria está mais ligado ao aumento do faturamento por loja, os segmentos de Negócios, Serviços e Outros Varejos e Acessórios Pessoais e Calçados tem sua expansão mais ligada ao crescimento do número de unidades de, respectivamente, 3% e 5%”, afirma Claudio Tieghi, diretor de Inteligência de Mercado, Relacionamento e Sustentabilidade da ABF.

Os segmentos que mais cresceram em faturamento no 3º trimestre foram Educação e Treinamento, Negócios, Serviços e Outros Varejos e Veículos, com 15% de crescimento, seguidos por Hotelaria e Turismo, com 14% de expansão. “Acreditamos que este desempenho seja influenciado pela busca de qualificação frente a um mercado de trabalho mais retraído e a busca de serviços e fornecedores com preços mais competitivos”, explica Claudio Tieghi.

A pesquisa traz uma novidade. Pela primeira vez é informado o número de unidades repassadas, que foi de 0,6%. “O franchising oferece a modalidade de repasse como alternativa ao fechamento da unidade. Esse fato demonstra também os benefícios de se ter um negócio em rede, planejado e melhor estruturado que os negócios independentes”, observa o diretor da ABF.

A ABF realizou também uma correlação entre os dados trimestrais e o Projeto Franquias Brasil, que está levando treinamentos presenciais a 120 cidades, de 19 Estados. O objetivo foi capturar um o indicador do interesse de potenciais empreendedores (tanto franqueados como franqueadores). No 3º trimestre de 2015, 70% das pessoas que buscaram qualificação no Projeto para se tornar franqueador são Homens. O Sudeste é a Região que apresenta o maior número de pessoas com o objetivo de se tornarem franqueadores, com 32%. Já o Nordeste é o mais representativo no número de interessados em se tornar um franqueado, com 44% dos participantes.

Metodologia

Envolvendo o mercado como um todo, inclusive não associados, os números do desempenho do setor de franchising são apurados em pesquisa por amostragem, cruzados com levantamentos feitos por entidades representantes de setores correlatos ao sistema de franquias – tais como CNC e ABRASCE – órgãos de governo como o IBGE e instituições parceiras, caso do SEBRAE. Auditados por empresa independente, os dados divulgados pela ABF são referência para órgãos governamentais de diversas esferas, entidades internacionais do franchising, como World Franchise Council e FIAF – Federação Ibero-americana de Franquias, e instituições financeiras.

Espetinhos Mimi quer ampliar presença da marca no Rio de Janeiro até as Olimpíadas

A rede paulista de churrasco no palito, a Espetinhos Mimi, já tem mais de 70 unidades em funcionamento e está presente em 12 estados.  Agora, a empresa tem como foco de expansão a cidade do Rio de Janeiro, especialmente por conta das Olimpíadas.

A marca que se tornou conhecida por sua participação em grandes eventos como o Rock in Rio, Carnaval da Sapucaí do Rio, no Festa da Uva de Vinhedo, na Fórmula 1 e no Salão do Automóvel de São Paulo, entre outros, tem a expectativa de inaugurar mais 20 unidades até as Olimpíadas.

A empresa oferece aos investidores 3 formatos de franquia: Express, empório e grill, com investimento a partir de R$150 mil. Com o aumento do número de unidades da rede, a Espetinhos Mimi pretende aumentar seu faturamento R$ 70 milhões em 2014 para R$81 milhões este ano.

Arranjos Express inaugura 19ª unidade no Estado de SP

A Arranjos Express, rede de franquias portuguesa especializada em costura e customização de roupas, abre sua primeira loja em Mogi Guaçu (SP). Com isso, já são 19 unidades no Estado de São Paulo e 34 no País todo. “Nós estamos com um plano de expansão bem agressivo, principalmente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste do País. Temos visto um crescimento de cerca de 20% em nossos atendimentos nos últimos meses por conta da crise, uma vez que hoje o brasileiro tem a opção de consertar em vez de comprar roupas novas”, explica Paulo Alexandre, fundador da rede.

Presente no Brasil há três anos, a Arranjos Express tem planos de chegar a 65 lojas no Brasil – fechando o ano com um faturamento de R$ 14 milhões. Para 2016, a rede pretende inaugurar outras 50 unidades.

O foco do negócio está na transformação estética de peças de vestuário e têxtil-lar, embora as unidades da franquia também ofereçam fortemente ajustes e reparos. Para todos os serviços, ao levar as peças até a loja, o cliente conta com uma consultoria. “Temos uma equipe de costureiras preparadas para transformar quaisquer peças em roupas personalizadas”, afirma Alexandre.

Casa do Construtor inaugura segunda loja em Cuiabá

A Casa do Construtor, maior franquia no segmento de locação de equipamentos de pequeno porte para a construção civil, inaugura a quinta franquia da marca em Mato Grosso. Trata-se da segunda unidade em Cuiabá, capital do Estado. Principal polo industrial, comercial e de serviços de Mato Grosso, a cidade tem, segundo estimativas do IBGE, uma população superior a 580 mil habitantes. A rede também vem analisando perfis de investidores para outras localidades mato-grossenses, como Cáceres, Sorriso e Tangará da Serra.

Atualmente com 227 lojas em operação, a Casa do Construtor pretende fechar 2015 com 250 unidades comercializadas. O plano de expansão prevê mil franquias da marca até 2025. Apesar do cenário pouco otimista para o setor da construção, a rede faturou R$ 175 milhões em 2014. Já no primeiro semestre de 2015, a receita cresceu 10% em comparação com o mesmo período do ano anterior. A previsão até o final deste ano é registrar um faturamento de R$ 200 milhões.

“A cultura de locação de equipamentos na construção civil está, gradativamente, ganhando mais espaço em todo o Centro-Oeste do País”, diz Altino Cristofoletti, sócio-fundador da Casa do Construtor. “O crescimento e faturamento de nossas lojas na região reflete essa realidade. Estamos muito otimistas em relação ao posicionamento conquistado pela rede ao apresentar produtividade, pioneirismo e um estilo de negócio inovador para esse público empreendedor, que pede cada vez mais profissionalização e engajamento da empresa.”

Criada por Expedito Eloel Arena e Altino Cristofoletti Junior, a Casa do Construtor surgiu em 1993, como uma loja de materiais de construção, em Rio Claro, no interior de São Paulo. Cinco anos depois, inaugurava sua primeira franquia, em Americana.

O público-alvo são construtoras, empresas, condomínios e até proprietários ou locatários de imóveis que estejam fazendo uma obra ou reformando. Os clientes podem alugar equipamentos de pequeno porte, como ferramentas elétricas, rompedores, compactadores, betoneiras e estruturas metálicas, além de instrumentos para limpeza e jardinagem.

Em 2012, a rede ganhou como a “Melhor Franquia do Brasil” pela ABF e foi certificada como uma das melhores empresas para se trabalhar pelo Great Place to Work. Um ano antes, a Casa do Construtor havia se tornado Empreendedor do Ano, pela Consultoria Ernest & Young, passando ainda a figurar como Empreendedor Endeavor.

Rede portuguesa oferece comida de chef na praça de alimentação

Em 2007, a economia europeia passava por um momento difícil, com a queda do poder de compra da população e a consequente necessidade de mudança dos hábitos de consumo. Até então as praças de alimentação dos shoppings centers, sobretudo em Portugal, eram praticamente ignoradas pelas pessoas de renda mais alta, porém, com a crise, passaram a ser uma alternativa aos restaurantes tradicionais, normalmente mais caros.

Foi em meio a esse cenário que os empresários Albano Homem de Melo, António Cunha Araújo e Miguel Van Uden enxergaram uma boa oportunidade de negócio – a oferta de um hambúrguer gourmet único, com agilidade, qualidade e preço de fast food. A proposta foi batizada de “Not so fast food”. Um conceito de fast food, onde se come rápido, porém, bem. Ou, em bom português, comida de chef na Praça de Alimentação.

Em 7 de junho de 2007, os sócios abriram a primeira unidade h3, em Lisboa. Uma hamburgueria diferente, a começar pelo nome – ‘h’, uma referência ao produto principal e 3, alusão ao número de sócios. Mas, a singularidade não parava por aí, o novo negócio era especial na oferta do produto, nos processos e na comunicação, usando o branco e o azul como suas cores principais, algo inusitado no segmento de alimentação. Com a certeza de que é possível servir boa comida a um preço acessível e com rapidez – afinal a comida deve ser gourmet, mas os preços não – o h3 desenvolveu a sua própria receita de hambúrguer, com 200 gramas de pura carne, servido grelhado (e não chapeado ou prensado), no ponto escolhido, em pratos aquecidos, acompanhados de arroz branco, batatas frescas, salada, com ou sem pão, para ser degustado com garfo e faca de metal. Para acompanhar, limonada preparada com sumo de limão siciliano, chá ou, se o cliente insistir, refrigerante gelado.

“Todos os produtos são desenvolvidos com os melhores ingredientes”, afirma Cláudia Malaguerra, CEO da marca no Brasil. “Usamos cebola e cogumelos frescos para fazer os salteados; preparamos os ovos estrelados com azeite; a salada é montada com alface, cebola roxa, tomate e um molho com toque de chef”. O h3 conta com uma nutricionista, que trabalha diariamente para que os pratos, além de deliciosos, sejam, também, equilibrados nutricionalmente. “A rede prefere grelhados a fritos, frescos a congelados e alimentos cozidos na loja a produtos processados”, reforça António Cunha Araújo.

O novo modelo agradou. Hoje, soma 50 lojas em Portugal, destas, 17 franquias, distribuídas do Algarve ao Minho, chegando até mesmo à Ilha da Madeira. Foram quatro anos de operação própria até partir para a expansão via franchising. O primeiro teste foi na Polônia, que deixou claro aos sócios que a operação precisava amadurecer mais para cruzar fronteiras. “O problema não estava no produto ou no modelo de loja, mas na falta de experiência com o mercado de alimentação local, já que o parceiro escolhido era de outro segmento”, observa Miguel Van Uden.

Embalada pelo tamanho do mercado, a similaridade da língua e pelo bom desempenho registrado por outras empresas portuguesas, o h3 desembarcou no Brasil em 2011, inicialmente, com operações próprias, a fim de desenvolver fornecedores locais e se adaptar ao paladar local. “Tivemos que fazer alguns ajustes no cardápio, já que o brasileiro não abre mão do arroz com feijão na hora do almoço, além de culturalmente comer hambúrguer com pão”, revela a executiva Claudia. Assim, o cardápio com 40 sabores, que se revezam em grupos de oito a 12 a cada temporada, ganhou um prato especial, o Zuca. Uma combinação de hambúrguer, arroz, feijão, farofa e vinagrete. Para ajudar o brasileiro a fazer uma transição mais suave do hambúrguer saboreado de maneira informal para um prato gourmet, a rede criou um pão especial, um brioche quentinho, crocante, levemente tostado com a melhor manteiga.

Ciente de que o mercado brasileiro é bastante complexo, os empreendedores procuraram um sócio local. O escolhido foi o fundo Icatu, que transformou a h3 na sua primeira iniciativa de aporte na área de restaurantes. Mais recentemente, a rede recebeu aporte de um segundo fundo, desta vez do português Menlo.

New Hamburgology

A experiência gastronômica única, completa, moderna, que prega o gosto pelas coisas boas com valor justo, batizada pela rede h3 de New Hamburgology, também ganhou o Brasil. Em três anos de operação, já soma 14 lojas e três franquias, distribuídas por São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Recife. Atende a uma média de 75 mil clientes por mês, com tíquete médio de R$ 28.

O faturamento estimado para 2015 é de R$ 24 milhões. A meta é faturar R$ 33 milhões e somar até 40 unidades até 2017, a maioria via franquia, tendo como endereços principais Belo Horizonte, Brasília e cidades do interior de São Paulo, em um raio de 200 km da Capital.

Um dos principais diferencias da marca é a simplicidade da operação e gestão das lojas. Os processos foram exaustivamente estudados e bem desenhados, o que facilita – e muito – o trabalho do franqueado e seus funcionários. A rede desenvolveu diversos itens exclusivos como, por exemplo, a grelha especial para hambúrguer, as cubas e o processo de refrigeração das limonadas. “Boa parte do nosso sucesso está diretamente ligada ao treinamento dos funcionários e a simplicidade do processo operacional”, ressalta Albano Homem de Melo. “Os grelhadores são diplomados e aprovados em 72 parâmetros na Escola de Grelha h3.”

Além de Portugal, Brasil e recentemente Angola, o mercado do Oriente Médio e os países europeus já estão em andamento para negociação.

“Nossa expectativa é tornar o h3 um player extremamente relevante no mercado mundial de alimentação, levando o nosso conceito e os nossos sabores para milhões de pessoas”, afirma Albano Homem de Melo.

Franquia de purificadores de água da Brastemp chega a Goiânia

A Brastemp, marca da Whirlpool Latin America, que desde 2014 ingressou no mercado de franquias, com um modelo baseado em assinatura dos seus purificadores, anuncia sua entrada em Goiânia (GO). Segundo Carlos Eduardo Sousa, diretor do Negócio Água da Whirlpool, o modelo da Whirlpool tem um grande potencial, inclusive com expectativas de triplicar a base atual de assinantes em até três anos.

A demanda por modelos de negócios diferenciados tem levado a Brastemp, que também opera no setor de franquias, a expandir sua presença no País. “Cada vez mais empresários optam pelo modelo de franquias para expandir sua atuação no mercado e estar à frente da concorrência. Nosso objetivo é estar presente onde existe potencial de consumo, levando o nosso modelo pioneiro, baseado em serviços de alta qualidade, que garante água à vontade, sempre pura e na temperatura ideal”, explica Carlos Eduardo.

A primeira franquia da Brastemp contará com os três modelos de purificadores com sistema de filtragem, água pura na temperatura desejada, livre de partículas de bactérias e menos concentração de cloro:

  • Purificador Brastemp Ative!: Possui painel inteligente com iluminação, acessibilidade e bandeja para copos e jarras.
  • Purificador Brastemp You: Tem design moderno e inovador com painel inteligente. Disponíveis nas cores berinjela, coral, vermelho e amarelo.
  • Purificador Brastemp: garante água pura, livre de cloro e das bactérias, mas mantém os sais minerais essenciais para a saúde do consumidor.

Modelo de Franquias Brastemp

Os interessados em adquirir uma franquia da Brastemp investirão a partir de R$ 350 mil, que contemplam taxa de franquia, compra do direito de operar uma parte da base de consumidores, taxa de publicidade, além dos custos com infraestrutura, veículos, entre outros. A Whirlpool concede todo o treinamento técnico para o parceiro franqueado, além do suporte com as vendas, gestão e operação.

Como pré-requisito, o franqueado Brastemp deve possuir disponibilidade para residir em Goiânia, ter bom relacionamento na cidade, já ter atuado no controle de equipes externas e conhecimento em finanças e gestão. Além disso, a franquia da Brastemp deve ser seu negócio principal.

O retorno do investimento realizado é obtido a partir de 30 meses e a expectativa é que o franqueado possua uma base de 10 mil assinantes em até cinco anos, resultando em um lucro líquido anual de R$ 500mil.

Negócio Água

A Whirlpool entrou na categoria de purificadores de água em 2003, com o lançamento do modelo Brastemp por assinatura. O conceito, pioneiro no mercado brasileiro, oferece o pacote de serviços que contempla instalação, manutenção preventiva a cada seis meses, reparo, visitas técnicas, troca do refil e logística reversa. Com esse modelo, a empresa garante aos consumidores inúmeras vantagens como a comodidade de ter em casa uma água pura, com máxima filtragem de partículas e cloro, e na temperatura que desejar. Aliás, um benefício importante a ser destacado é a possibilidade de ter água o tempo todo, sem a necessidade de encher o filtro e esperar para consumi-la.

Sobre a Brastemp

Há mais de 60 anos no mercado brasileiro, a Brastemp vem oferecendo experiências surpreendentes por meio de seus produtos que trazem sempre uma performance impecável, design inovador e tecnologia de ponta. A marca tem em seu DNA o pioneirismo e a antecipação de tendências para seus clientes, o que prova que a Brastemp “é assiiim… uma Brastemp”.

Inadimplência estimula criação de franquia de serviços financeiros e tributários

Em meio à situação econômica que o Brasil está vivendo, o que surpreende os brasileiros é a própria capacidade de se reinventar e buscar oportunidades em meio a uma situação tão adversa. É o caso do empresário Leonardo Lopes, de apenas 26 anos, que vislumbrou neste momento uma oportunidade de negócios, a criação da rede de franquias Cred Limp Limp Consultoria Financeira e Tributária.

Só no primeiro semestre deste ano, o número de empresas inadimplentes cresceu 5,38% no Brasil, de acordo com o indicador do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Os números cada vez mais preocupantes na economia do país, levam a população a buscar saídas para as dificuldades na área financeira, uma delas é renegociar as dívidas e ter acesso ao crédito cada vez mais escasso.

A Cred Limp presta serviços de renegociação de dívidas, intermediando acordos entre clientes e financeiras; revisão de tributos federais, estaduais ou municipais; elaboração de laudos revisionais de empréstimos e financiamentos; cobranças; mapa fiscal; planejamento tributário; e recuperação de créditos tributários.

A ideia da franquia nasceu quando o empresário Leonardo Lopes, quando pecuarista, viu muitos agricultores, empresários e cidadãos comuns em uma situação na qual precisavam organizar suas finanças, porém, não tinham conhecimento de como e nem mesmo de quais  profissionais o fizessem. Assim,  juntamente com um grupo de especialistas do segmento, estudou o mercado e identificou a necessidade de uma empresa que fosse capaz de solucionar esses problemas para seus clientes com praticidade, transparência, seriedade e oferecendo maior rentabilidade possível.

Em apenas um mês de estratégia de expansão, a empresa já conta com quatro franqueados nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Pará. A expectativa é chegar até o final de 2015 com 35 unidades. É possível optar pelo modelo consultor, desenvolvido para home-office, com investimento inicial a partir de R$ 17.000,00; ou o modelo loja, com investimento a partir de R$ 51.000,  capaz de atender o público de uma maneira mais formal, além de captar com maior facilidade serviços destinados a pessoa física. O prazo de retorno é de seis meses a um ano. A grande novidade é que, com o crédito bancário escasso, é possível financiar até 50% da taxa de franquia, diretamente com a franqueadora, em até 36 vezes.

“O brasileiro ainda tem um tabu muito grande com relação ao endividamento, pois a dívida abala sua auto-estima, sua imagem, além de desestruturar a família ou até a empresa. Nosso foco é mostrar a como pode ser fácil lidar com problemas financeiros utilizando de uma maneira simplicada nossos serviços”, finaliza Lopes.

Metalúrgico investe em franquia de beleza para fugir da crise

Com o cenário econômico desfavorável e o desemprego crescendo a cada dia no país, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o número de desempregados chegou a 1,8 milhões até junho de 2015, o metalúrgico Edilson Gomes de 44 anos e seus  02 filhos, Sarah (21) e Paulo (17) foram brasileiros demitidos em março deste ano.

Edilson Gomes trabalhou 22 anos na fábrica da Ford na cidade de Taubaté (SP) juntamente com seus dois filhos, que fazem parte dos aproximadamente 230 funcionários dispensados da indústria automobilística. “Bateu uma insegurança porque não tínhamos mais toda a assistência de um emprego com carteira assinada, sem plano de saúde e sem outros benefícios. A questão era como voltar para o mercado de trabalho?”, completa.

Pensando num plano B, sua filha teve a ideia de investir o dinheiro da rescisão em um negócio próprio e rentável. “Ficamos inseguros em tomar uma decisão dessas, mas pesquisando vimos que o modelo de franquia é  adequado já que está pronto e testado, sendo um investimento seguro em um momento como o que estamos passando”, diz Edilson.

Em julho deste ano, o metalúrgico se tornou franqueado da Sóbrancelhas, rede especializada no embelezamento do olhar, onde oferece serviços como design de sobrancelhas a limpeza de pele. Esta mudança radical, de Operador de Máquinas e Técnico Administrativo da Ford para área de beleza aconteceu com o apoio de sua esposa Cida Galvão que é formada em Estética e já trabalhava em sua própria casa com este segmento, oferecendo serviços de esteticista para mulheres conhecidas.

O investimento total para obter a franquia foi de R$ 140 mil reais, boa parte da rescisão do casal. A unidade fica em Pindamonhangaba, no interior de São Paulo e completando um mês de operação, os novos franqueados já pensam em investir na segunda loja em São José dos Campos. “Empreendemos por uma necessidade e apostamos todas nossas fichas nesta nova fase”, comenta Edilson.

De acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF) o segmento de franquias mesmo com a crise vem crescendo e no primeiro semestre faturou aproximadamente 11,2%. Prova é a rede Sóbrancelhas que em seu balanço semestral registra abertura de 39 novas unidades, totalizando até o momento 74 em operação. A marca soma ainda 130 contratos já fechados para iniciar novas lojas. “A retração econômica que está afetando o país não atinge a rede, que mantém um crescimento acelerado. Estamos inseridos em um mercado que a cada ano tem expansões significativas e também nos preocupamos em oferecer serviços de qualidade com modelos de negócios adaptáveis, o que garante nosso sucesso por todo o Brasil. Apenas em um ano, crescemos 617 %”, conta Luzia Costa, fundadora da Sóbrancelhas.

A empresária ainda afirma que pretende chegar a 130 unidades até o final de 2015 com um faturamento de aproximadamente R$ 3 milhões e 300 franquias nos próximos 3 anos.

5 lições que você pode aprender com o Grupo Boticário

No dia 3 de novembro, a Cherto Atco realiza uma Visita de Benchmarking à sede do Grupo Boticário, no Paraná, para revelar alguns segredos da maior rede de franquias de cosmético do mundo. A empresa, que administra marcas como Boticário, Eudora, Quem disse Berenice? e The Beauty Box, é hoje uma das grandes referências do varejo nacional e tem vencido alguns dos principais desafios enfrentados hoje por empresas brasileiras.

Confira as 5 lições que os participantes do evento poderão aprender e reserve já a sua vaga!

1.Relacionamento com franqueado
Ter como foco a satisfação dos franqueados foi um dos principais motivos que levaram o Grupo Boticário a formar uma rede que hoje conta com mais de 3.700 unidades.

2.Logística
A empresa mostrará como vence diariamente o desafio de atender as milhares de unidades presentes em mais de 1.750 municípios brasileiros e 9 países.

3.Multicanalidade
A empresa opera hoje quatro marcas (Boticário, Eudora, Quem disse Berenice? e The Beauty Box) em diversos canais de venda, como lojas físicas, e-commerce, porta-a-porta e lojas que comercializam produtos de diversas marcas (The Beauty Box).

4.Gestão de pessoas
Com mais de 7.000 colaboradores diretos e 22 mil indiretos, o Grupo Boticário tem recebido ao longo dos anos diversos prêmios que a reconhecem como uma das melhores empresas para se trabalhar no Brasil.

5 . Inovação
Atuando em um dos segmentos mais pujantes da economia, a empresa tem se preocupado constantemente em inovar, seja com a criação de novas marcas ou de novos produtos. Possui hoje um Centro de Pesquisa capaz de desenvolver mais de 2.000 produtos simultaneamente.

Garanta já a sua vaga na visita ao Grupo Boticário!
Data:
03/11/2015
Duração: Das 10h às 16h30
Local: Sede do Grupo Boticário (São José dos Pinhais – PR)
Investimento: R$ 1.280,00 (inclui almoço, coffee-break e certificado de participação do curso)
Inscrições: (11) 3549-9910 ou atendimento@cherto.com.br
Vagas limitadas!

Vale a pena investir o dinheiro da rescisão para abrir uma franquia?

Infelizmente, a crise econômica tem feito muitos brasileiros perderem o emprego nos últimos meses. E até mesmo quem continua empregado está inseguro em relação a seu futuro profissional, com medo de ser atingido pelos próximos cortes que algumas empresas serão forçadas a realizar.

É nesse cenário que as franquias aparecem como uma saída para a crise. Em outros momentos em que o Brasil atravessou turbulências econômicas, as franquias já demonstraram ser uma alternativa segura para quem quer investir os recursos do FGTS para criar uma nova fonte de renda para a família. E agora elas cumprem novamente esse papel, sendo apontadas por diversos especialistas como o melhor investimento para aplicar o dinheiro da rescisão.

E por que isso acontece? Confira os motivos que levam as franquias a serem consideradas um investimento seguro mesmo em tempos de crise.

1.Mercado em alta, apesar da crise
Na última década, o Franchising brasileiro tem registrado índices de crescimento muito superiores ao PIB nacional. No primeiro semestre de 2015, mesmo diante do enfraquecimento da economia, o mercado de franquias teve alta de 11,2% em relação ao mesmo período do ano passado, como mostram os dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF). As redes continuaram em processo de expansão e as vendas das franquias tiveram uma performance  superior a dos negócios independentes.

2. Melhores negociações com fornecedores
Grande parte da força das franquias é explicada pela sua atuação em rede. Ao negociar com fornecedores, a empresa franqueadora tem maior poder de barganha e por isso consegue preços menores e maior prazo para pagamento. Isso permite que seus franqueados comprem os produtos a preços mais competitivos e ofereçam crédito aos consumidores, o que ajuda a impulsionar as vendas em um momento em que o cliente está mais cauteloso.

3.Investimento compartilhado em Marketing
Na crise, enquanto a maioria das empresas é forçada a reduzir os investimentos em Marketing e Propaganda, as franquias também saem em vantagem por contar com um Fundo de Publicidade bancado por todos os franqueados da rede. Ao somar uma pequena verba de cada franqueado, a empresa consegue ter recursos suficientes para continuar divulgando sua marca e seus produtos, aproveitando o espaço deixado pela concorrência.

4. Adesão a um modelo de negócio já testado e aprovado
Quem usar o dinheiro do FGTS para abrir uma franquia agora fará parte de uma empresa que já é conhecida pelo público e poderá usufruir dos benefícios de atuar em rede. Irá trabalhar com um modelo de negócio já testado e aprovado e contará com o apoio e os treinamentos oferecidos pelo franqueador para atingir os resultados esperados. É por isso que apenas 3,7% das franquias fecham as portas, enquanto nos negócios independentes o número sobe para 24%, segundo dados do Sebrae.

5. Mais de 3.000 franquias para você escolher
É claro que deixar a vida de empregado e se tornar um franqueado implica em riscos. Ainda mais quando o que está em jogo é o sustento de uma família. Por isso, quem foi demitido não deve jamais investir todos os recursos do FGTS na abertura do negócio. É preciso sempre reservar uma parte do dinheiro para pagar as contas – da família e da empresa – até que o negócio passe a dar lucro. Também é muito importante ser criterioso na hora de escolher a franquia ideal para investir e conhecer a fundo a rede com a qual pretende trabalhar. Conversar com os atuais franqueados é melhor maneira de entender como realmente é a vida de quem toca o tipo de negócio que você pretende tocar.

Para quem tomar todos os cuidados, a boa notícia é que o mercado de franquias oferece hoje mais de 3.000 opções de negócios, de todos os segmentos e com diferentes níveis de investimento. Certamente, na região em que você está existe alguma demanda que não foi atendida pelo mercado  – e esse espaço pode ser ocupado por uma nova franquia: a sua.

Filomena Garcia, Sócia-diretora da Franchise Store, é especialista em marketing e atua há 20 anos nas áreas de negócios, varejo e Franchising. Co-autora dos livros “Franchising – Uma estratégia para expansão de negócios e “Marketing para Franquias”.

Palestra gratuita: “Saiba tudo sobre franquias”

A Franchise Store realiza uma palestra gratuita com uma das maiores especialistas em Franchising do país, Filomena Garcia.

No evento, Filomena explicará aos participantes como funciona o Franchising e por que este mercado cresce – e continuará crescendo – apesar das turbulências da economia.


Conteúdo
:

– O funcionamento do mercado de franquias
– As principais vantagens e desvantagens que o modelo oferece
– As responsabilidades de franqueados e franqueadores
– O que é preciso considerar antes de investir em uma franquia
– Contrato de Franquia e Circular de Oferta de Franquia

Palestrante: Filomena Garcia é sócia da Franchise Store e atua há 20 anos nas áreas de negócios, varejo e Franchising. É co-autora dos livros “Franchising – Uma estratégia para expansão de negócios” e “Marketing para Franquias”.

Palestra gratuita

Data: 29/10 às 8h30

Local: Avenida Paulista, 1337 – 11º andar – São Paulo/SP

Inscrições: (11) 3729-2093 ou atendimento@franchisestore.com.br

VAGAS LIMITADAS!

Expo Franchising ABF – Rio 2015 confirma interesse do empreendedor pelo sistema de franquias

O último dia da 9ª edição da Expo Franchising ABF- Rio mostrou que, mesmo com o atual cenário de incertezas na economia do País, o franchising brasileiro é pujante e atrai cada vez mais empreendedores. O evento, que é considerado uma das dez maiores feiras de franquias do mundo, foi uma realização da Associação Brasileira de Franchising Rio de Janeiro (ABF-Rio), com organização e promoção da Fagga | GL events Exhibitions.

A feira que já faz parte do calendário anual de eventos do Rio de Janeiro contou com a presença de marcas tradicionais e também de novas redes, nacionais e internacionais, que estão ingressando no mercado de franquias. “Muitas marcas estão recebendo visitantes de outros estados brasileiros. Isto sinaliza que o evento adquiriu uma abrangência maior. Percebemos também que o público que visitou a feira não está apenas curioso e sim efetivamente interessado em investir, inclusive já tendo realizado uma pesquisa prévia”, ressalta Beto Filho, presidente da ABF-Rio.

Para Rubens Slaviski, diretor de negócios da Fagga | GL events Exhibitions, a feira foi um grande sucesso: “Estávamos com grandes expectativas, mas confesso que o desenrolar da feira superou as nossas previsões. A disposição dos visitantes e a qualidade das negociações realizadas superaram nossas expectativas. Para a próxima edição da feira, já temos mais de 75% dos espaços reservados”, comemora o diretor.

A maioria dos expositores afirmou que os visitantes estão mais preparados e dispostos a investir. De acordo com Clodoaldo Nascimento, a feira superou as expectativas em virtude do momento atual da economia. “Estamos satisfeitos, pois as pessoas vieram com vontade de investir no franchising. Bons negócios serão gerados a partir desta nossa participação na feira”, avalia.

A Caixa Econômico Federal, uma das patrocinadoras da Expo Franchising ABF-Rio 2015, contou com um estande de atendimento ao público visitante. “Apresentamos aos novos empreendedores as linhas de crédito que eles podem ter acesso ao abrir o seu novo negócio”, disse Vanessa dos Santos, gerente de empresas da CEF.

O Banco Bradesco também esteve presente no evento e, de acordo com representantes do da instituição financeira, a feira foi um sucesso. Segundo eles, durante os três dias de evento foram treinadas mais de 300 pessoas e realizados bons contatos com novos franqueados.

Marcelo Farrel, diretor geral da marca Bob´s, afirmou que a participação da rede na Feira é de extrema importância. “O público pôde conhecer as oportunidades de negócios da holding em maior profundidade e, futuramente, podem se tornar franqueados de uma das marcas do grupo”.

O SEBRAE também ofereceu ao público suporte em diversas áreas como capacitação, gestão e consultoria, além de informações sobre empreendedorismo. “As pessoas estão entendendo a crise não como uma ameaça, mas como uma oportunidade para um novo negócio”, explica Marcelo Chang, analista do SEBRAE RJ.

Fórum de Franchising

Sucesso de público durante os três dias do evento, o Fórum de Franchising contou com uma grade de programação extensa para os visitantes que desejavam se preparar melhor para a escolha ou administração de seu negócio. A grade de palestras contou com alguns temas relevantes como: Mitos e Verdades do Franchising, Como se Preparar para a Gestão de um Novo Negócio, Mecanismos de Financiamento, Saiba como Escolher uma Franquia, Franquia de Serviços – uma Excelente Oportunidade, entre outros.

“Eu comprei o passaporte para vir os três dias da feira. No primeiro e segundo dias, eu visitei alguns estandes e assisti algumas palestras, que me deram ainda mais suporte para escolher a franquia ideal. Esses cursos nos ajudam bastante a adquirir um conhecimento que não vamos encontrar em outro lugar”, disse Jorge Eduardo, empresário do ramo alimentício.

Zip lube expande operações no Centro-Oeste e abre sua primeira unidade em Campo Grande

A Zip lube, empresa especialista em troca de óleo do motor e manutenção básica de veículos, reforça seu plano de expansão e inaugura mais uma loja, desta vez na cidade de Campo Grande.

A Zip lube se destacou no interior de São Paulo, onde a franquia começou há dois anos com uma proposta diferenciada das outras empresas do ramo: trocar o óleo do seu carro com uma equipe especializada, numa loja montada para isso, seguindo todas as especificações do manual do fabricante. Os principais serviços ofertados hoje pela franquia são: troca de óleo do motor (carro e moto), filtros, bateria, lâmpadas, palhetas e extintor; manutenção de sistemas de ar condicionado e de arrefecimento; alinhamento de faróis; cristalização de para-brisas; e rodízio de pneus.

Como em todas as unidades da Zip lube, a unidade recém-inaugurada em Campo Grande tem projeto arquitetônico diferenciado que garante a agilidade nos serviços, permitindo o andamento simultâneo dos serviços por técnicos especializados. Deste modo, a realização da troca de óleo, por exemplo, é feita em até 30 minutos. Além disso, o atendimento é interativo, transparente, facilitado por um sistema proprietário que, a partir dos dados cadastrais do veículo, recomenda os serviços que devem ser executados de acordo com as especificações determinadas pelo fabricante no plano de manutenção do veículo. Esse mesmo sistema ainda permite que o cliente mantenha o histórico de manutenção sempre atualizado.

Veja a reportagem completa, feita pelo site Vip Marcas: http://www.vipmarcas.com.br/Noticia,854,ZIP-LUBE-EXPANDE-OPERACOES-NO-CENTRO-OESTE–E-ABRE-SUA-PRIMEIRA-UNIDADE-EM-CAMPO-GRANDE.aspx

Megaloja Tip Top tem mais de três de mil itens para montar o enxoval do bebê

Conhecida por suas incríveis coleções de roupas, incluindo a famosa moda praia, a marca Tip Top veste crianças de 0 a 10 anos de idade. O que muita gente ainda não sabe é que a marca é também destino para as mamães gestantes que precisam resolver em um só lugar o enxoval de seu bebê. São madeiras, chupetas, termômetros, babadores, carrinhos, brinquedos, bebê conforto, sabonetes e, sim, muitas roupinhas que compõem o mix das megalojas Tip Top. “A ideia é funcionar como uma ‘loja destino’ para a mãe sair de casa e encontrar tudo o que precisa para resolver a vida lá dentro”, diz Ricardo Marcondes, gerente de expansão da rede.

As megalojas da franquia contam com ambientes confortáveis, como cantinho para o papai, espaço para crianças com brinquedos e televisão, fraldário, estacionamento próprio, atendimento personalizado, programa de fidelização nas compras e muito mais. São unidades de 250 a 600 metros quadrados e que vendem mais de 3.000 itens, diferentes das lojas de shopping que possuem em torno de 40 m² e focam exclusivamente no vestuário.

São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, acaba de receber uma loja neste formato. Os sócios-franqueados investiram R$ 1,2 milhão, e já operam uma unidade no mesmo formato em Araçatuba (SP) – prova de que o investimento vale a pena para quem tem interesse de ter uma franquia Tip Top.

“É muito comum termos em nossa rede um franqueado com mais de uma unidade e isso está se repetindo também nos formatos das lojas com investimentos maiores, como é o caso das megas”, afirma Marcondes, que garante a tendência: “recebemos pedidos frequentes de atuais franqueados que desejam expandir também por meio das megalojas”.

Atualmente são sete megalojas Tip Top no País: três estão no interior de São Paulo (São José do Rio Preto, Araçatuba e Cotia) , três na capital paulista e uma em Teresina/PI. A expectativa até o final do ano é bater a marca de nove unidades e até 2016 abrir, no mínimo, outras dez megalojas.

Para quem não quer perder a chance de ser um franqueado Tip Top, mas ainda não tem essa cifra para investir, o executivo dá a dica sobre o modelo tradicional da marca, presente em todos os estados do Brasil exceto e ‘ainda’ no Acre e Roraima. Tratam-se das lojas com 40 m². “Neste caso é necessário um capital menor, de R$ 415 mil e o investimento gira em torno de R$ 80 mil”, diz o executivo.

Especialistas do Sebrae Nacional informam que quem deseja atuar no varejo da moda pode optar por atender a nichos específicos de mercado. Um deles é o de roupas, calçados e acessórios infanto-juvenis. Como o consumidor nessa faixa etária está em fase de crescimento, existe uma demanda constante para o setor de vestuário. O mercado de roupas infantis cresce em média 6% ao ano, segundo a Associação Brasileira de Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).

Confira as dicas práticas da Zip lube para manutenção do seu carro

A franquia Zip lube oferece a seus clientes mais de 20 tipos de serviços automotivos rápidos, que vão desde a troca de óleo até a substituição de filtros e manutenção de ar condicionado. Cada loja da rede tem uma equipe capaz de realizar um diagnóstico do veículo e indicar os serviços necessários, que são realizados em cerca de 30 minutos no próprio local.

Para ajudar o público feminino que busca qualidade e confiança ao ser atendido, a equipe de Zip lube elaborou uma lista com algumas dicas essenciais para manutenção do carro. Veja a reportagem completa no blog Entre Batons e Rodas: http://www.batomerodas.com.br/guia-pratico-de-dicas-essenciais-de-manutencao-para-seu-carro/

Zip lube inaugura unidade em Fortaleza e segue com expansão nacional da marca

A Zip lube, franquia especializada em serviços rápidos automotivos, acaba de inaugurar uma unidade em Fortaleza (CE).  Os principais serviços ofertados pela Zip lube são: troca de óleo do motor (carro e moto), filtros, bateria, lâmpadas, palhetas e extintor; manutenção de sistemas de ar condicionado e de arrefecimento; alinhamento de faróis; cristalização de para-brisas; e rodízio de pneus, serviços de substituição de protetor de carter; alinhamento e balanceamento de pneus; substituição de fluidos de freio, dentre outros. A rede conta com 23 lojas em operação no Brasil e espera fechar 2015 com 50 lojas.

O diretor da Zip Lube, Lineu Moran, explica o motivo de Fortaleza ter sido a primeira cidade do Norte/Nordeste a ter uma franquia da rede. “Fortaleza é o segundo maior mercado de veículos do Nordeste, com 18% de toda a frota da região, e uma das dez maiores cidades do Brasil e a primeira do Nordeste. Além de ser a 4° cidade com mais postos de combustíveis. São indicadores que fazem parte da nossa avaliação e Fortaleza tem um sólido mercado automotivo, formando um cenário excelente para investir”.

Confira a reportagem completa, feita pelo jornal O Povo,  sobre a inauguração da unidade: http://www.opovo.com.br/app/opovo/veiculos/2015/09/29/noticiasjornalveiculos,3511611/rapido-e-eficiente.shtml

Zip lube, especializada em serviços automotivos, inaugura unidade em Goiânia

A Zip lube, uma empresa da Cosan, oferece serviços que vão desde troca de óleo até substituição de palhetas do parabrisa e filtros. Com o apoio de um sofisticado software sofisticado e contando com uma equipe formada por poucos funcionários, o franqueado Zip lube conseguirá atender com qualidade a demanda crescente por serviços automotivos.

O modelo de franquia, que foi criado há dois anos em São Paulo e logo atraiu a atenção de investidores do estado, agora também se destaca em outras regiões. Recentemente, a rede inaugurou uma unidade em Goiânia. A abertura da loja foi destacada pelos jornais locais Diário da Manhã e O Popular, como mostram as imagens abaixo.

image-1o poular impresso zip lube